02/02/2009

Ações do Governo para a construção civil gera otimismo no setor

Fonte: Editoria Zap

Confiança no pacote de estímulo ao setor é alta, apesar da queda das expectativas para o desempenho das vendas no início de 2009

O primeiro Termômetro do ano da Abramat (Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção) aponta que 68% das empresas associadas estão otimistas em relação às ações do governo para os próximos 12 meses. Esse número era de 61% em dezembro do ano passado.

Por outro lado, a sondagem indica que as pretensões de investimento caíram de 58% no mês passado para 39% este mês. Essa queda é efeito da cautela da indústria em relação à concretização das medidas do Governo. ?Os empresários esperam a divulgação das medidas para estímulo do setor, que o Governo decidiu adiar para fevereiro, a fim de realizar maiores estudos da questão?, explica o presidente da entidade, Melvyn Fox.

Além disso, apenas 30% das empresas do setor continuam otimistas com o desempenho das vendas no curto prazo no mercado interno. A expectativa é de queda nesse número para 24% em fevereiro, devido às incertezas provocadas pela crise.

Por conta do pacote de estímulo à economia prometido pelo governo dos Estados Unidos, as perspectivas para o mercado externo tiveram maiores alterações. Cerca de 20% estão otimistas em relação às exportações em fevereiro, comparados a 13% deste mês.

A diminuição das perspectivas de investimento proporciona um certo alívio em outra questão que preocupava o setor. O nível de capacidade instalada utilizada caiu de 86% para 81% este mês. ?Com uma demanda mais controlada e maior capacidade de atendimento para a construção civil, as indústrias não sentem tanta necessidade de investir, e podem se considerar capazes de atender à demanda em 2009, sem risco de desabastecimento?, conclui Fox.

LEIA MAIS:

Material de construção pode ter IPI zerado

Meta de pacote é construir 1 milhão de casas populares

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.