08/06/2009

Antigos prédios passam por um retrofit

Fonte: Jornal da Tarde

Cine Marabá, na Avenida Ipiranga, indica que o retrofit pode ser opção em áreas centrais

Como fazer com que um cinema da década de 1940 mantenha o clima da Cinelândia paulista, que abrigava salas de exibição no eixo da Avenida São João, no Centro, e, ao mesmo tempo, criar um cinema moderno? Por meio de um retrofit, tipo de reforma que moderniza ou modifica o uso da edificação sem, no entanto, alterar sua estrutura.

Felipe Rau/AEZap o especialista em imóveis

 

Zap o especialista em imóveisAcima, a cor das colunas do hall foi restaurada.Ao lado, paredes curvas imprimem a assinatura de Ruy Othake

 

 

 

 

 

 

 

 

Essa solução pode ser impulsionada pela valorização de preços de terrenos para novos empreendimentos, quando o preço da reforma é compatível com o da construção de uma nova; e pela valorização de regiões na cidade, onde a falta de terrenos inviabiliza a manutenção de prédios antigos e a reforma aproveita o potencial do imóvel.

Outro uso do retrofit pode ser o de revitalizar áreas centrais, ao reformar imóveis tombados pelo Patrimônio Histórico, como o projeto de reforma e restauro do Cine Marabá, reaberto na semana passada na Avenida Ipiranga. O objetivo da construção era restaurar as características do edifício da época e modernizá-lo, porém, mantendo a fachada, piso do hall e cor de colunas, solicitações do Departamento do Patrimônio Histórico.

Para isso, o procedimento foi cirúrgico. No piso, por exemplo, foi retirado o granito por cima do parquê, e, nas colunas do hall de entrada e mezanino, foram retiradas cerca de dez camadas de tintas até ser encontrada a cor original, bege. Apesar de nenhuma parede poder ser derrubada, outras foram construídas. A maior mudança foi a divisão da antiga sala de cinema. A plateia inferior foi dividida em três salas e, a parte superior, em duas. Ou seja, o que era uma sala com 1.655 lugares virou cinco com 1.022. A mesma coisa aconteceu com a cabine de projeção, que é, ao mesmo tempo, interligada, pois é possível passar uma cópia do filme em duas salas, simultaneamente.

Como a modificação de uso está ligada ao Plano Diretor da cidade, e o tombamento às exigências técnicas de órgãos municipais – ou seja: dependem de aprovação da Prefeitura -, o trâmite pode se estender. O projeto de renovação do Cine Marabá, tramitou por três anos para atender às especificações técnicas.

NÚMEROS:
R$ 8 milhões
DE CUSTO
Foi o gasto na reforma do Marabá pela PlayArte

11 MESES
Durou a reforma assinada pelo arquiteto Ruy Othake

3 ANOS
Durou o trâmite do projeto na Prefeitura da cidade

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.