26/10/2020

Arquiteto restaurador: o profissional que mantém a essência da casa

A restauração é o segmento da arquitetura que reforma os imóveis recuperando elementos originais ou os substituindo, mas evitando alterar sua essência. O arquiteto restaurador é o profissional especializado para este tipo de trabalho. Ele vai estudar a história do imóvel, da rua, do bairro antes de realizar um projeto. Com esse material analisado, a restauração começa.

Para que você conheça mais sobre o arquiteto restaurador e descubra se é o profissional especializado que a sua casa precisa para fazer um projeto de reforma, conversamos com três arquitetas especialistas em restauração. As sócias Larissa Martinez, Natália Ferrari e Renata Mello do escritório INGÁ Arquitetura e Restauro falaram sobre como: 

  • Trabalha o arquiteto restaurador
  • Priorização na hora de executar o projeto (o que mantém)
  • Dicas para conservar seu imóvel

Confira!

Como trabalha o arquiteto restaurador

Antes de intervir em um imóvel, o arquiteto restaurador realiza um estudo. Larissa Martinez explica que são feitas: 

  • Pesquisa histórica para entender o contexto da edificação a ser restaurada;
  • Levantamento métrico para identificar todos os elementos característicos, como técnica construtiva, estrutura, ornamentos;
  • Análise das patologias, como problemas que surgem por conta do tempo ou ação do homem.

“Com todas essas informações e dados orais de pessoas que presenciaram a evolução da edificação, o restauro faz ações que recompõe esse espaço para dar um significado novo, mas sem perder a essência do lugar”, explica.

Natália Ferrari a complementa falando que o profissional restaurador tenta viabilizar o uso de uma edificação e trazer para a atualidade. “O arquiteto restaurador tem a sensibilidade para compreender o que aquela edificação pré-existente pode significar para a sociedade, aquele bairro, o indivíduo e como pode intervir naquele objeto para resgatar a memória, valorizar a história”, diz a arquiteta.

Além dos profissionais de arquitetura, outros envolvidos em um projeto de restauração podem ser especializados, como um marceneiro. Dependendo do projeto, profissionais de outros ramos da arquitetura também podem se unir para o trabalho com restauro e nova arquitetura/edificação ou espaço. “Paralelo a nós, arquitetos restauradores, a gente se alia a uma mão de obra também especializada em restauração”, fala Renata Mello.

O arquiteto restaurador trabalha só com patrimônio histórico?

Arquiteto restaurador Copan
Copan, em São Paulo: exemplo de edificação tombada

Antes de responder a pergunta acima, vale lembrar que a sua casa pode ser um patrimônio histórico. Para que um imóvel seja considerado patrimônio histórico, ele passa por um processo de tombamento – ato de reconhecimento de valor histórico para o país, estado e/ou cidade. A nível nacional, o Instituto do Patrimônio Artístico e Histórico Nacional (IPHAN) é responsável pelos patrimônios históricos e seus tombamentos. Cada estado e município também possui sua repartição que cuida de bens tombados. 

Um imóvel tombado pode ser reformado, desde que seguida as normas do IPHAN ou do órgão responsável pelo seu tombamento em cada estado ou município, além de outras normas relativas à construção. Qualquer pessoa pode solicitar um tombamento. Em seu site oficial, o Instituto explica:

Toda e qualquer obra, no entanto, deverá ser previamente aprovada pelo órgão que efetuou o tombamento. A aprovação depende do nível de preservação do bem e está sempre vinculada à necessidade de serem mantidas as características que justificaram o tombamento. A maioria dos órgãos de preservação fornece gratuitamente orientação aos interessados em executar obras de conservação, ou restauração em bens tombados.

Como o arquiteto restaurador se especializa em preservar, ele é um dos profissionais indicados para lidar com patrimônios históricos, mas mesmo que a sua casa ou apartamento não seja tombado e você deseja reformar sem perder a essência do local, você pode contratar um arquiteto restaurador. “Imóveis das décadas de 40 e 50 já estão com marcas do tempo”, comenta Renata.  

Manter o que existe ou trocar?

Larissa, Natália e Renata explicam que cada caso é um caso. Avaliações vão indicar como o restauro será feito. “O arquiteto analisa tudo que engloba o estudo daquele bem e escolhe a linha de projeto que vai nortear sua proposta de intervenção”, diz Natália. Alguns elementos geralmente são mantidos, como pilar e viga. “O que é feita é uma análise, um laudo estrutural, para apontar se é preciso um reforço. Se sim, é feita uma estrutura auxiliar”, complementa Larissa. 

Além da manutenção desses elementos, deixar outros que são originais da edificação (ou mais antigos) pode ser a melhor decisão. “A demolição gera um impacto. Vai ser um descarte de resíduo que precisa ser pensado”, exemplifica Renata chamando a atenção para a questão da sustentabilidade quando pensamos em reforma.

Cuidados com a casa

Por fim, Larissa, Natália e Renata deixaram quatro dicas de cuidados para você preservar seu imóvel (vale também para imóveis novos). Veja abaixo:

  • Limpe a calha com periodicidade;
  • Viu uma goteira, observe trincas e/ou fissuras: não deixe para resolver depois;
  • Cuidado com produtos químicos. Faça limpezas cuidadosas com os produtos certos;
  • E fique atento as instalações prediais como um todo. Por exemplo: faça com cuidado atualizações das partes hidráulicas e elétricas, evitando danificar o imóvel, e escolha bem um modelo de ar-condicionado, pois ele pode se tornar um problema na hora da instalação, durante seu uso e a reforma.

Leia mais:

+ Como escolher o sofá ideal para sala pequena

+ 9 livros sobre organização que você precisa ler

+ Conheça 10 truques que facilitam a limpeza da casa

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.