16/06/2009

Artistas e designers investem no patchwork para revestir móveis e objetos decorativos

Fonte: O Globo

O patchwork é usado por artistas e designers para revestir móveis e objetos decorativos, numa mistura das tendências moderna e retrô. Clique e confira

A poltrona de o pufe de Edward Van Vilet fazem parte da coleção Sushi, da Moroso

Rio de Janeiro – Pelas mãos artesãs são costurados retalhos de tecido multicoloridos para revestir mobílias modernas. O patchwork, técnica artesanal usada, em geral, na confecção de mantas e colchas, é recuperado com sofisticação por artistas e designers de mobiliário e de acessórios de decoração. Exemplo disso é a loja italiana Moroso, que lançou durante a Feira de Móveis de Milão 2009 a coleção Sushi, de Edward Van Vilet, com sofás, chaises e poltronas de tecidos diferentes em estilo e estampa. A artista inglesa Lisa Whatmough e o designer israelense Tal R também se inspiraram no meticuloso trabalho para redesenhar móveis clássicos. O design refinado do mobiliário dialoga com o gênero popular do patchwork e concede ao mundo da decoração um resultado híbrido, ao mesclar as tendências moderna e retrô.

Tecidos diversos se entrecruzam nas mobílias sofisticadas de Edward Van Vilet para a Moroso, marca representada no Brasil pela Micasa. Nas almofadas esféricas são misturadas estampas de sofás, pufes e poltronas. Nos assentos e encostos há detalhes em costura para incrementar o visual do mobiliário.
 
A inglesa Lisa Whatmough se enfronhou num trabalho minucioso para revestir chaises, cadeiras clássicas, camas e sofás com diferentes combinações de tecidos. As estantes e luminárias também recebem revestimentos que remetem ao universo do patchwork. Apesar do resultado estético fazer referência ao universo folk, as mobílias não perdem o tom refinado. Sua idéia era fazer uma fusão de antigas texturas em tecido que acabaram definindo seu trabalho em peças únicas e exclusivas. Os produtos da artista podem ser encontrados em sua loja, a Squint Limited, em Londres.

Mobília da inglesa Lisa Whatmough com retalhos de tecido

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Além de Edward Van Vilet e Lisa Whatmough, o designer israelita Tal R também buscou referências na técnica artesanal. Desta vez para redesenhar os modelos da Egg Chair, de Arnie Jacobsen. O mobiliário foi desenvolvido para a marca Fritz Hansen em comemoração aos 50 anos da cadeira. Os tecidos utilizados no produto são provindos de diferentes pontos do mapa, como Istambul, Berlim e Nova York. Cada versão da Egg Chair “by Tal R” foi batizada com um nome ligado ao universo do psicanalista Freud, como uma homenagem acrescida à capacidade de reinvenção e renascimento de cada peça. Variados tons e propostas compõem a coleção.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.