27/07/2007

Até R$ 600 exige muita procura

Fonte: Jornal da Tarde

Número de ofertas para locação é muito inferior ao da demanda; construtoras começam a investir no perfil

Tiago Queiroz/AEZap o especialista em imóveisInvestimentos imobiliários na região do Ipiranga, Zona Sul de São Paulo, devem aumentar o número de ofertas para locação popular nos próximos anos

 

Encontrar um imóvel para alugar a preço mais acessível está exigindo não somente paciência como também muito fôlego e disposição dos candidatos a inquilino da Capital. Isso porque as unidades cujos aluguéis não ultrapassam R$ 600, as mais procuradas em São Paulo, estão em falta no mercado imobiliário.

“A procura está tão grande que estão faltando imóveis de um, dois e até três dormitórios para locação nas principais cidades do Estado, como na Capital, em Santos, Campinas, no ABC Paulista, em Osasco, Guarulhos e São José dos Campos”, explica o presidente do Conselho Regional de Corretores de Imóveis (Creci-SP), José Augusto Viana Neto.

O aumento da demanda, segundo Viana Neto, resulta de dois fatores distintos. O primeiro é o retorno às regiões centrais da cidade dos moradores que haviam migrado para as áreas mais periféricas durante o período de crise econômica, atrás de aluguéis mais baratos. “Pesquisas nossas mostram essa movimentação. Com a melhora na renda da população, as pessoas começam a desocupar os imóveis da periferia e retornar para aqueles do centro”, relata.

Um outro motivo seria ainda a falta de investimento das construtoras em empreendimentos que atendam este perfil. “As empresas deixaram de aplicar no mercado de locação por muito tempo após o início do plano real por conta da instabilidade econômica que havia”, conta o presidente do Creci.

“Os incorporadores investiram muito em alto padrão e não havia linhas de crédito para incentivar a compra no segmento popular. Em 2005, como o mercado de alto padrão estava abastecido e começou a haver oferta para imóveis em linhas mais populares, as incorporadores começaram a fazer empreendimentos para a classe média baixa que estão sendo concretizados hoje”, complementa.

Por conta do crescente investimento em imóveis entre R$ 70 mil e R$ 150 mil, Viana Neto acredita que as ofertas tendem a aumentar nos próximos anos, principalmente na Zona Sul, região preferida pelos investidores, pontos da Zona Norte e Leste.

“Os novos imóveis vão se concentrar no entorno de regiões valorizadas, como no Tatuapé e Vila Mariana. A aposta do especialistas é que novas unidades para locação surjam na região do Ipiranga. “Essa é a bola da vez para imóveis populares devido à chegada do expresso Tiradentes e da estação do metrô”.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.