01/02/2010

Bancos preveem juro estável para crédito imobiliário em 2010

Fonte: O Estado de S. Paulo

Segundo executivos, provável alta do juro básico da economia (Selic) não influenciará custo dos financiamentos

Juro do financiamento varia entre 8% e 10% ao ano mais TR (Fotos: Divulgação)
Juro do financiamento varia entre 8% e 10% ao ano mais TR (Fotos: Divulgação)

Enquanto o mercado financeiro discute quando e quanto o juro básico deve subir neste ano, no imobiliário o discurso é de que as taxas dos financiamentos não vão acompanhar a trajetória de alta da Selic. O principal argumento dos bancos é de que a maior parte dos recursos do crédito imobiliário é captada por meio da poupança, investimento que não sofre grandes alterações de rentabilidade quando o juro básico é modificado.

Especialistas esperam que a Selic encerre 2010 em 11,25% ao ano (ante 8,75% hoje), de acordo com o mais recente boletim Focus do Banco Central (BC), resultado de uma pesquisa com centenas de instituições financeiras e consultorias.

“Os recursos do crédito imobiliário vêm da poupança. Mesmo com a Selic tendo um ajuste, não deve haver alteração nas taxas praticadas”, disse o superintendente executivo de crédito imobiliário do Bradesco, Claudio Borges. Por lei, os bancos são obrigados a direcionar 65% do dinheiro da poupança a empréstimos habitacionais.

Independentemente do novo nível da Selic, a caderneta paga ao investidor 0,5% ao mês mais Taxa Referencial (TR) – calculada a partir da taxa média dos Certificados de Depósito Bancário (CDBs). A rentabilidade estável da caderneta faz com que o custo dos bancos ao captar o dinheiro para empréstimos imobiliários não suba caso a Selic seja elevada.

O juro do financiamento varia entre 8% e 10% ao ano mais TR. “Parte do cálculo da TR contém a Selic. Se o juro sobe, a TR deve subir também, mas a parte fixa do financiamento não deve ser alterada”, afirmou o diretor de empréstimos e financiamentos do Banco do Brasil, Nilson Martiniano. A TR tem um custo muito baixo para o mutuário. Nos últimos meses, tem ficado abaixo de 0,1% ao mês.

Segundo os bancos, não deve ocorrer algo parecido com o visto em outubro de 2008, quando as instituições aumentaram o juro cobrado no empréstimo imobiliário. Em alguns casos, a taxa chegou a 12% ao ano mais TR. “Não foi somente a Selic que fez o juro do crédito subir no passado. Foi uma questão de mercado”, lembra o diretor de crédito imobiliário do Santander, José Roberto Machado Filho. Na época, havia o temor de que a inadimplência subiria.

RECORDE – O início de ano fraco não impediu que 2009 batesse recorde de financiamento em valor e em unidades financiadas. Foram concedidos R$ 34 bilhões em empréstimos com dinheiro da poupança. No total, 302,7 mil unidades foram financiadas, segundo a Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário Poupança (Abecip).

O aumento da oferta de crédito se explica, em parte, pela captação da poupança. Os depósitos bateram recorde – R$ 300 bilhões – em 2009. “No primeiro semestre, poderia dizer que inexistiu lançamento de imóveis, pois a crise fez com que as construtoras não tomassem mais empréstimos para construir e tentassem vender o estoque existente”, disse o diretor de crédito imobiliário do HSBC, Antonio Barbosa.

Segundo especialistas, a confiança da pessoa física na economia aumentou agora. “O comprador ficou receoso em assumir dívidas na crise”, disse o diretor de crédito imobiliário do Itaú Unibanco, Luiz França. “Em dezembro, emprestamos R$ 2,39 bilhões à pessoa física. Houve uma volta clara ao financiamento de novos e usados.”

A expectativa é de que o crédito avance neste ano. “Esperamos fechar 2010 com R$ 3,7 bilhões em crédito imobiliário”, disse o gerente-executivo de empréstimos do BB, Sérgio Augusto Kurovski, que emprestou R$ 600 milhões em 2009. A Caixa Econômica Federal, líder do mercado, acredita que o crédito alcançará R$ 50 bilhões, ante R$ 47 bilhões de 2009.

“O crédito imobiliário ainda representa muito pouco do PIB”, frisa Barbosa, do HSBC. Segundo a consultoria Accenture, no Brasil, esse porcentual é de 2,1%, contra 65% nos EUA e 9% no México.

TAXAS ATRATIVAS – Milhares de brasileiros, como Junior Bueno de Camargo, de 37 anos, aproveitaram o bom momento do mercado imobiliário de – juros no nível mais baixo da história – para trocar a casa própria.

“Estou morando no ABC Paulista e queria voltar para São Paulo para ficar mais próximo do trabalho. Aproveitei a oportunidade de taxas atrativas e pagamento facilitado para adquirir um apartamento no Morumbi”, diz o economista, que financiou seu imóvel a um juro de 9,1% ao ano mais TR. “Vou financiar 70% do valor do imóvel e pagar em 20 anos.”

Três meses de pesquisa na região e mais um mês para a liberação do crédito foram suficientes para Camargo conseguir comprar o apartamento de 100 metros quadrados em novembro. “Quis comprar no fim do ano para fazer a mudança ainda durante as férias escolares do meus filhos.”

LEIA MAIS:

FGTS IMPULSIONA CONSÓRCIO IMOBILIÁRIO

POUPANÇA GARANTE CRÉDITO IMOBILIÁRIO ATÉ 2014

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.