30/03/2008

Brasil quer exportar tendência

Fonte: O Estado de S. Paulo

Cartela de cores 2008/2009 parte do preto para ressaltar a ecologia e o conceito de sustentabilidade

O Comitê Brasileiro de Cores (CBC) lançou, no dia 18, a nova cartela de cores 2008/2009 do Centro de Estudos de Cor para a América Latina (Cecal). A cartela orienta as indústrias na definição dos padrões e as tendências a serem adotadas nas tintas, revestimentos cerâmicos, metais e louças sanitárias, dados que servem também para arquitetos e decoradores.

DivulgaçãoZap o especialista em imóveisDestaque – A arquiteta Candida Tibet se inspirou no ecoton para desenhar quarto de residência em Campos do Jordão/SP

 

 

 

 

 

 

 

“Hoje em dia a informação circula muito rápido, o que facilita a interligação”, explica a presidente do CBC e colorista Elisabeth Wey. A temporada 2008/2009 traz 26 cores divididas em quatro grupos de comportamento, todos baseados no tema “Realizando sonhos”, abordando o gosto pela fantasia e pelo imaginário, e o preto como fundo.

São quatro grupos, que expressam estilos diferentes: o ecoton, com o verde e a madeira das matas; o ludis, que traz as alegrias da infância, de cores fortes e grafismos; o maximini, tendência de vanguarda que utiliza formas e medidas muito grandes ou mínimas; e a neogolden, que privilegia as extravagências típicas do barroco, com muito ouro, brocados, rendas e purpurina.

Para chegar até aqui, há dois anos pesquisadores como Elisabeth, investigaram e identificaram os movimentos mais importantes nas artes, cultura e política no mundo todo. “Identificamos tendências culturais, sociológicas, políticas e religiosas universais. Não adianta ter algo que fale só para nós. A linguagem tem que ser internacional, que é adaptada a cada região”, diz Elisabeth.

Com uma palheta de cores e texturas baseadas nesses movimentos, segundo Elisabeth, os produtos tocam em desejos inconscientes do consumidor. No caso da ecoton, que valoriza os tons de verde, o ponto de contato é a onda ecológica que varre o planeta. “Hoje tudo é verde, ou sustentável, ou ecológico. E o Brasil está muito na frente.”

Apoiada na onda verde, Elisabeth pretende exportar tendência. “A ecoton é bem Brasil. Esse é o primeiro ensaio no sentido de exportar uma tendência, o que nunca aconteceu. Vamos aproveitar a vinda dos franceses no próximo ano, o ano Brasil-França, para reforçar o ecoton. Pretendo levar os coloristas estrangeiros para a floresta”, diz. Elisabeth acredita que se conseguir colocá-los dentro da mata, eles irão descobrir as outras cores que marcam o tropicalismo e a estética tipicamente brasileira, nos pássaros, flores e céu, e a nossa luz, que encanta o mundo.

“Vamos ter pessoas importantes aqui. Precisamos aproveitar a oportunidade.” Segundo a pesquisadora, mundialmente a associação que se faz com o Brasil é a floresta amazônica como fator positivo.

Preto

Divulgação Zap o especialista em imóveisJá Camila Matarazzo preferiu o neogolden

O fundo preto que marca a próxima temporada é expressão da violência que as sociedades sofrem. “Há tamanho medo que as pessoas, ao invés de insistirem no branco da paz, adotam o preto”, diz. A tendência, que também expressa economia de energia, mais uma referência à ecologia, já aparece nas novelas globais, que ditam moda e, por isso mesmo, adotam a tabela da CBC na construção de seus cenários. “Com o passar do tempo, esses sinais se alargam até virar modinha”, conta. Uma tendência dura, em média, sete anos segundo Elisabeth.

Dicas para facilitar a escolha da cor da sua casa

A construção vai ser atingida pelas tendências principalmente na cor escolhida para pintar a casa, uma decisão difícil. “Muda o ambiente sem gastar muito. E se errar, é fácil corrigir”, diz Elisabeth Way, presidente do Comitê Brasileiro de Cores. Ela dá algumas dicas para facilitar a tarefa.

Caixa: Encare o ambiente como uma caixa, em que os acessórios terão de 5% a 10% de influência. Parede e piso formam um conjunto. Decida, primeiro, se este conjunto será claro ou escuro.

Cor interior: “Investigue sua alma e seus desejos. Se você é uma pessoa baladeira, ou ao contrário, caseira, se é viajante ou pragmática, tradicional ou revolucionária. Para cada perfil há uma cor. Descubra a sua entre as 26 opções.” Com o tom definido, trabalhe com as tonalidades.

Combinações – “Se não tem moldura na casa (de gesso ou resina entre o teto e a parede), use uma cor só, com um tom mais claro no teto. Assim a divisão entre a parede e o teto será esmaecida, ampliando o ambiente”, ensina. Caso tenha moldura, use um tom contrastante da mesma cartela, ou siga a cor das portas e esquadrias. “Nunca deixe um elemento solto. A cor serve como ligação.”

Destacando uma parede: Não é recomendado usar uma cor diferente em uma parede, a não ser que a casa seja muito grande, ou que se queira valorizar uma divisória ou parede solta. Nesses casos, use uma cor mais vibrante, que harmonize com as demais.

Elisabeth insiste em ressaltar a importância da pessoa se conhecer bem. “Na maioria dos casos, o erro acontece porque a pessoa não se conhece. Descubra sua cor interior e todos os problemas desaparecem.”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.