09/12/2007

Caixa facilita condições do consórcio de imóveis

Fonte: O Globo

Valor da carta de crédito sobe para R$300 mil, e prazo aumenta para 150 meses

Os interessados em adquirir a casa própria por consórcio imobiliário ganharam um reforço. Entraram em vigor na semana passada as novas regras da carta de crédito da Caixa Econômica (CEF): o valor subiu de R$200 mil para R$300 mil, e o prazo máximo de pagamento aumentou de 120 para 150 meses. Outras empresas do setor, como a Rodobens, a Multimarcas e a Bancorbrás, além do Bradesco, líder no segmento, também já tinham feito adaptações em suas linhas de consórcio de imóveis.

De acordo com o presidente da Associação Brasileira das Administradoras de Consórcios (Abac) para o Rio de Janeiro, Fabiano Ferreira, o sistema de consórcio imobiliário no Brasil tem apresentado crescimento médio anual de 35% nos últimos seis anos. E a dilatação nos prazos de pagamento é uma tendência de mercado, diz Ferreira:

— Precisamos adequar o valor da prestação à capacidade de pagamento do consumidor. Começamos atendendo à classe B, hoje já atendemos às classes C e D e queremos chegar à E.

O diretor da Caixa Consórcios, Antônio Limone, afirma que, com os aumentos de prazo e valor da carta de crédito, a instituição espera conquistar parcelas da população que não eram alcançadas:

— Expandimos o valor da carta de crédito do consórcio para atender, principalmente, ao mercado imobiliário dos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e do Distrito Federal, onde os valores dos imóveis são mais altos.

Em setembro, número de consorciados foi recorde

A grande procura pelo consórcio de imóveis apontou, no último mês de setembro, o maior número de participantes da história do setor no Brasil: 456,3 mil consorciados, 21,5% a mais que os 375,6 mil do mesmo mês no ano passado, de acordo com a Abac.

Na Caixa, o consórcio pode ser usado para adquirir imóveis prontos, sejam eles novos ou usados, residenciais ou comerciais. As cartas de crédito saem a partir de R$25 mil, e os prazos são de 90, 120 ou 150 meses. A taxa de administração é de 1,2%.

As contemplações são mensais e saem, em cada assembléia, por sorteio, lance livre (maior percentual de amortização) e lance fixo (20% do saldo devedor, sendo que, havendo mais de uma oferta, é escolhida a mais próxima da cota sorteada). Quem tiver FGTS poderá utilizar o benefício para fazer a oferta de lances, por três meios: via internet, nas agências da Caixa ou pela Central de Relacionamento (0800-7024000).

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.