20/10/2008

Casa própria imune à crise?

Fonte: Jornal EXTRA

Por um lado, representantes do setor afirmam que o momento é ideal para a realização do sonho da casa própria, por outro, entidades de defesa do consumidor pedem cautela às famílias

A crise financeira internacional está levando o mercado imobiliário brasileiro a uma encruzilhada. Se, por um lado, representantes do setor afirmam que o momento é ideal para a realização do sonho da casa própria, em outra trincheira, entidades de defesa do consumidor pedem cautela às famílias que pretendem adquirir um financiamento.

De acordo com Rubens Vasconcelos, presidente da imobiliária Patrimóvel, o mercado será pouco afetado pela crise originada nos empréstimos de alto risco concedidos por grandes bancos norte-americanos. Isso porque, segundo ele, a fonte de recursos do financiamento imobiliário são seguras, pois derivam de recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e da caderneta de poupança.

É daí que se origina o Sistema Financeiro de Habitação (SFH), do governo federal. Como a poupança e o FGTS têm boa captação, não haverá problema. É um dinheiro que é exclusivo para isso. Só pode ser aplicado para este fim  afirmou.

Vasconcelos recorre à história recente do Brasil para concluir que o investimento em imóveis é uma espécie de porto seguro. Segundo ele, no confisco da Era Collor (1990-1992) e nas crises dos governos do tucano Fernando Henrique Cardoso (1995-2002), perdeu menos quem tinha apartamentos ou casas como garantia.

As construtoras também estão otimistas. Na opinião do diretor da Carmo e Calçada, João Paulo Matos, o impacto da crise será pequeno, pois os bancos brasileiros sempre foram prudentes na concessão de crédito.

Além disso, o aumento de apenas 1% a 1,5,% nos juros para o financiamento de imóveis ainda representa um ótimo negócio, sendo que alguns bancos, como a Caixa Econômica Federal, não aumentaram os seus juros e não pretendem fazê-lo  disse.

Nadando contra a maré de boas perspectivas do mercado imobiliário, a Associação de Consumidores Pro Teste orienta as famílias a não fazer financiamentos da casa própria nesse momento de incertezas. De acordo com a análise da entidade, os consumidores podem acabar arcando com custos elevados, principalmente nas taxas de juros, já que a compra de um imóvel é um investimento de longo prazo.

Para o autônomo Milton Barcellos, de 36 anos, ainda vale a pena investir na compra de um imóvel.

Com crise ou sem crise, o imóvel continuará lá  afirmou.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.