26/08/2015

Rio de Janeiro: Catete, o bairro que foi o centro do Brasil por 63 anos

O bairro de passagem entre Flamengo, Laranjeiras e Glória foi sede do Governo da República do Brasil

Fonte: Revista do ZAP

Uma pequena volta pelas ruas do Catete, bairro da zona sul do Rio de Janeiro, é o suficiente para saber que o lugar está carregado de história. O bairro de passagem entre Flamengo, Laranjeiras e Glória foi sede do Governo da República do Brasil e da residência oficial do Chefe de Estado, no Palácio do Catete, entre 1896 e 1960.

Palácio da prefeitura, no Catete
Palácio do Catete foi sede do governo federal de 1896 a 1960

O local, aliás, foi onde aconteceu o fatídico suicídio do ex-presidente Getúlio Vargas, em seu quarto, em 1954. Tempos depois, a construção virou o Museu da República, que abriga um grande e bonito  jardim, ótima opção de área de lazer.

Catete, rua Pedro Américo (Foto: divulgação/ Prefeitura)
Catete, rua Pedro Américo 1958. Neste local se concentra grande parte do comércio (Fotos: divulgação/ IBGE)

A população do Catete é de 24.057 pessoas, com renda média de R$ 2.947, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).  As vias principais são as ruas Catete – onde está concentrada a maior parte do comércio formal e informal, com lojas, bancos e restaurantes -,  a rua Bento Lisboa e Pedro Américo – bastante residenciais –, Corrêa Dutra – onde encontra-se o mais antigo sobrado do bairro, transformado em uma loja de departamentos – e a Dois de Dezembro – que cruza o local e chega ao bairro do Flamengo. A rua Tavares Bastos dá acesso à comunidade de mesmo nome.

Bairro do Catete em 1958
Bairro do Catete em 1958

Além do Museu da República e do Centro Nacional de Folclore e Cultura Popular, ambos localizados na rua do Catete, moradores têm outras opções de diversão como o cinema Kinoplex, na mesma via, e a Galeria Condor, uma das mais tradicionais da cidade. O Largo do Machado é outro ponto de comércio da região, com vários locais de alimentação.

Museu do Catete (Foto: divulgação/ Prefeitura RJ)
Local onde fica o Museu da República (Foto: divulgação/ Prefeitura RJ)

O destaque do Catete é a quantidade de sobrados e casarões construídos, muitos deles tombados pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN). Os prédios mais modernos são altos.

Além das inúmeras opções de comércios, o transporte no bairro é eficiente. São duas as estações de metrô, com acesso às linhas 1 e 2, que operam entre zona sul e zona norte.  A rede de ônibus leva os passageiros ao Centro, zonas oeste, sul e norte.

A rede de ensino é ampla, com cursos de línguas, colégios municipais a particulares. Os mais tradicionais são Bonfim, Zaccaria e Pinheiro Guimarães. Na parte de saúde, além de consultórios particulares, o único local hospitalar é o Centro Municipal de Saúde Manoel José Ferreira. Hospitais de grande porte são encontrados em bairros vizinhos como Glória e Laranjeiras.

O nome do bairro significa “mato fechado” em tupi. Antes da colonização, uma tribo de índios chamada Uruçumirim era dona da região. A ocupação do bairro por nobres se deu por volta de 1840, com a construção de várias mansões, uma delas a do Barão de Nova Friburgo, chamada de Palácio Nova Friburgo, que anos depois viraria o Museu da República. As informações são da Prefeitura do Rio de Janeiro.

 

Conheça a história do Rio de Janeiro

Conheça a história de Copacabana

Conheça a história da Barra da Tijuca

Conheça a história de Laranjeiras

 

+ Quer receber mais dicas de decoração e mercado? Informe seu nome e e-mail no espaço para comentários desta matéria. Os dados não serão publicados nessa página

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.