23/12/2009

China quer controlar aumento dos preços do setor imobiliário

Fonte: Agência Estado

Governo terá como estratégia estimular a oferta de moradias públicas baratas e desenvolver áreas pobres

Xangai – A China vai aumentar os esforços para controlar o que chama de aumento “excessivamente rápido” dos preços dos imóveis em algumas cidades, estimulando a oferta de moradias públicas baratas e desenvolvendo áreas pobres. Pequim está enfrentando uma crescente preocupação com o superaquecido setor imobiliário e com uma potencial bolha de ativos no mercado de ações, que pode eventualmente ameaçar a estabilidade social.

A promessa do Conselho Estatal, o gabinete de governo chinês, não é inteiramente nova, mas surge enquanto o governo parece cada vez mais preocupado com o acúmulo de pressão inflacionária de longo prazo gerada pela recuperação econômica rápida, que foi possível graças ao boom de crédito estimulado pelo governo e aos grandes gastos públicos.

Em novembro, os preços dos imóveis urbanos na China cresceram no ritmo mais rápido em 16 meses, com os valores das residências aumentando 5,7% em comparação com o mesmo mês de 2008 em 70 grandes e médias cidades, de acordo com o Escritório Nacional de Estatísticas. A alta foi a sexta consecutiva e a maior desde a de 7% registrada em julho do ano passado.

O Conselho Estatal informou que uma reunião presidida pelo primeiro ministro Wen Jiabao concluiu que o país vai acelerar a construção de moradias públicas, melhorar a supervisão do mercado imobiliário e estabilizar as expectativas do mercado com relação aos preços dos imóveis, de acordo com o website do governo chinês.

A China vai desenvolver novamente áreas pobres, fábricas estatais e minas durante um período de cinco anos. O Conselho Estatal afirmou que o governo vai encorajar os bancos a fazer empréstimos para o desenvolvimento urbano e suspender alguns impostos para certos projetos, enquanto limita os investimentos especulativos em imóveis e evitar riscos de crédito relacionados ao setor imobiliário.

A China investiu um total de 39,49 bilhões de yuans (US$ 5,78 bilhões) em moradias públicas desde o fim de agosto deste ano, apenas 23,6% da meta estabelecida pelo governo central, de acordo com um relatório do Parlamento chinês citado pela agência de notícias estatal Xinhua em outubro. As informações são da Dow Jones.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.