05/09/2008

Circuito das artes do Jardim Botânico traz várias opções de móveis e objetos decoração

Fonte: Globo online

São 55 estúdios e ateliês com peças bem diversificadas

DivulgaçãoZap o especialista em imóveisSala de estar do ateliê de Ferando Jaeger

RIO – Quem gosta de arte e de bater pernas deve se programar para conferir as novidades dos ateliês, do Jardim Botânico , que abrem suas portas e capricham na recepção. Vale investir naquele tênis ou numa sapatilha confortável para curtir a caminhada pelas ruas arborizadas e floridas do bairro, com muitas casas bacanas, que, aliás, já compensam o passeio. É bom reservar tempo para a empreitada, pois são 55 estúdios e ateliês com peças bem diversificadas.

E, mesmo assim é possível que o visitante se sinta frustrado, achando que um dia é muito pouco para seguir todo o trajeto proposto no roteiro do 12º Circuito das Artes do Jardim Botânico. Neste ano, os artistas estão homenageando os 200 anos do parque que dá nome ao bairro.

Para quem tem curiosidade de saber mais sobre os materiais e as técnicas usadas nas peças, o circuito pode ser ainda mais prazeroso. Muitos dos 90 artistas passam o dia apresentado suas obras e conversando com os visitantes. Dá até para ver alguns deles colocando a mão na massa, produzindo suas obras.

Zap o especialista em imóveisShowroom do arquiteto e artista plástico Aulio Sayão e Lilian Cristalli

Se seu foco é decoração, não deixe de conhecer o charmoso ateliê do Fernando Jaeger, uma casa centenária de 300 metros quadrados, toda decorada com móveis assinados pelo designer. Na sala de estar, por exemplo, há lançamentos como a poltrona Theo. O visitante caminha por toda a casa ambientada. Lá, há mesa de jantar, sofás, aparadores, estantes, poltronas, mesas de centro e até uma linha para área externa resistente ao tempo. As forrações têm tecidos com estampas também desenvolvidas por Jaeger. Os tapetes são criações da designer Regina Kato, sócia do ateliê.

Outro espaço interessante para quem está querendo mudar o visual de sua casa é o showroom do casal de arquitetos Lilian Cristalli e Aulio Sayão Romita. Eles projetam e fabricam móveis fibras natural e sintética. Há poltronas, mesas de centro, aparadores, além de telas em tinta acrílico de autoria do próprio Romita.

Não deixe de entrar na simpática Vila dos Artistas, na Rua Engenheiro Pena Chaves. São 13 casinhas com uma enorme diversidade de trabalhos com direito a um riozinho ao fundo do terreno. Ainda pensando em decoração, vale conhecer os diferentes modelos de luminárias, arandelas e pendentes da designer e artista plástica Mônica Cohen, que faz um belo trabalho usando estrutura de ferro e forro em papel vegetal com texturas distintas, além de fibras e tecidos. Há opções para todos os gostos. Também é possível fazer encomendas sob medida. Ainda na vila, tem escultura de parede feita com arame e cera de abelha, peças em moisaco e marchetaria.

Zap o especialista em imóveisLuminárias de Mônica Cohen

Também é bem diferente o trabalho exposto na casa número um da vila, que fica um pouco afastada das demais. Lá, há telas em vidro de autoria da artista plástica Cláudia Melli. Na Rua Visconde de Itaúna, é imperdível o ateliê da artista plástica Márcia de Andrade, que faz um belíssimo trabalho também feito em vidro.

Vale destacar que a cerâmica é a matéria-prima mais usada pelos artistas do circuito. Há uma infinidade de artigos que podem ser usados na decoração ou como utilitários.

Serviço:
Dias: 6 e 7 de setembro
Horário: das 12h às 21h
http://www.circuitodasartes.com.br
Transporte saindo do Parque dos Patins
Preço: R$ 6 percorrendo todos os ateliês

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.