25/11/2007

Classe média alta aproveita crédito farto para diversificar investimentos

Fonte: O Globo

Presidente da Ademi diz que ‘ajustes de preços’ são naturais

As melhores condições para a compra de imóveis — conseqüência da estabilidade econômica, da desburocratização do crédito e da queda de juros — abrem novas perspectivas inclusive para o mercado de luxo. É o que afirma o presidente da Associação de Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário (Ademi), Rogério Chor, segundo quem, não há milagres: para oferecer condições de pagamento mais atraentes, as empresas precisam fazer o que ele chama de “ajustes de preços”:

— Se, antes, cobrávamos 40% do valor do imóvel durante a obra; hoje, cobramos 20%. É claro que algumas pessoas, que não podiam comprar esse imóvel, passam a ter facilidades. Obviamente, essas facilidades fazem com que as empresas ajustem seus preços para compensar isso. Por outro lado, é claro que, se um comprador fizer uma oferta de pagamento à vista, terá bons descontos.

80% dos imóveis usados de alto padrão são pagos à vista

O corretor Paulo Cesar Ximenes, especializado no mercado de luxo, ressalta que o crédito está sendo procurado por todos os segmentos. Atualmente, diz ele, 80% dos negócios de alto padrão são fechados à vista, quando se trata de imóveis usados. No caso dos vendidos na planta ou em construção, 25% dos negócios são fechados à vista ou num prazo de até 18 meses. Mas, com a concessão de financiamento menos burocrática e com juros baixos, esse público enxerga a oportunidade de diversificar seus investimentos:

— Mesmo entre o público de padrão de vida elevado, o imóvel pode corresponder a 50% do patrimônio de uma família.

No caso do segmento de imóveis econômicos, Chor acredita que não haja espaço para a alta desenfreada de preços, já que há tanta oferta. Além disso, diz o presidente da Ademi, hoje as construtoras estão interessadas em ganhar na velocidade de vendas:

— É claro que, se puder, o construtor vai querer ter um lucro maior, mas é mais interessante vender tudo rapidamente. O aumento dos preços de imóveis populares só ocorrerá no caso de supervalorização dos terrenos ou de alta do custo da construção civil.

Com prestações na faixa de R$200, as construtoras querem atrair quem ganha a partir de 3,5 salários mínimos (em torno de R$1.200) e ainda paga aluguel. O presidente da Patrimóvel, Rubem Vasconcelos, diz que é o fim dos conjuntos habitacionais para a baixa renda.

— As construtoras estão empenhadas nesse segmento — afirma Vasconcelos, adiantando que, em janeiro de 2008, fará um grande lançamento em Belford Roxo, com unidades de dois e três quartos, com preços a partir de R$70 mil.

Em 2008, R$50 bilhões para as novas moradias

De acordo com os especialistas, em 2008, essa pujança do mercado imobiliário vai continuar: serão investidos somente em lançamentos residenciais no país cerca de R$50 bilhões, segundo previsões da Cyrela. Isso representa 40% acima do negociado este ano, quando as principais cidades do Brasil se transformaram em canteiro de obras. Para se ter uma idéia, é dinheiro suficiente para erguer uma cidade com duas mil torres de edifícios de classe média.

Ou, ainda, colocar no mercado 600 mil apartamentos populares de uma só vez.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.