05/08/2008

Com inflação alta, inquilinos conseguem reajuste até 40% abaixo do IGP-M

Fonte: Globo online

RIO – Com a crescente alta do Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M), que serve de parâmetro para o reajuste dos contratos de aluguéis, é cada vez maior o número de locatários que consegue negociar taxas menores para correção do valor das mensalidades. Segundo o diretor de locações da Associação Brasileira das Administradoras de Imóveis (Abadi), Carlos Samuel Freitas, os descontos têm ficado entre 30% e 40% do IGP-M, que atualmente acumula variação de 15,12% em 12 meses. Assim, os contratos que estão sendo negociados agora tendem a fixar aumentos de 9% a 10% no valor do aluguel.

– O IGP-M está muito acima da inflação para o consumidor ( o IPCA acumula alta de 6,06% nos 12 meses encerrados em junho ) e isso leva os locatários a negociar. Cerca de 70% dos inquilinos estão pedindo reajuste menor do que o IGP-M e cerca de 80% deles estão conseguindo – afirma Freitas.
Segundo o diretor da Abadi, entre dez e cinco anos atrás, era mais comum a redução do valor dos alugueis durante as negociações anuais. Nos últimos cinco anos, no entanto, a procura por compra e locação de imóveis aumentou. Com o aquecimento do mercado imobiliário, as negociações ficaram mais favoráveis para os proprietários, que têm conseguido reajustar o aluguel a cada ano.

– É claro que um bom inquilino, que paga em dia e não cria problemas para o proprietário, tem maior poder de negociação e consegue reduzir os reajustes – complementou.
Na administradora imobiliária Cipa, que cuida de 1.600 contratos de aluguel, 60% dos reajustes estão sendo fixados abaixo do IGP-M. O restante têm respeitado o índice, conta o gerente de locação da empresa, Amauri Soares.
No caso de imóveis vazios para locação, no entanto, a valorização do aluguel tem sido bem maior .
– Imóveis localizados na Zona Sul do Rio ficaram 33% mais caros em junho. Na Barra, o aumento foi de 18%. Enquanto na Tijuca a valorização chegou a 40% – disse Rogério Quitandilha, gerente geral de imóveis da Apsa, que administra 6 mil contratos de aluguel.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.