09/02/2009

Com menos de três mil residências, bairro da Urca, no Rio, tem metro quadrado disputado

Fonte: O Globo

As vantagens e desvantagens do bairro dos sonhos de muita gente

Rio de Janeiro – Depois de quatro lances de escadas, a recompensa: de todas as janelas da casa, a vista que se tem é das mais belas paisagens cariocas. É claro que isso tem seu preço. A cobertura de 215 metros quadrados, num prediozinho sem elevador, numa rua transversal à beira-mar da Urca, está à venda por R$ 1,2 milhão. Se o comprador quiser ficar de frente para a Baía de Guanabara, vai pagar ainda mais caro. Um casarão de 500 metros quadrados, antiguinho e precisando de reforma, está saindo por R$ 2,3 milhões.

Fotos: Fábio RossiZap o especialista em imóveisCobertura na Urca à venda por R$ 1,2 milhão

Com menos de três mil residências, o metro quadrado na Urca é disputadíssimo. Em enquete feita pelo GLOBO na internet (veja aqui os resultados da pesquisa feita com leitores), sua beira-mar foi eleita o endereço dos sonhos da maioria dos participantes (32,5%). Por isso, essa segunda reportagem da série “Avenidas cobiçadas” é sobre o bairro. Para o arquiteto Augusto Ivan, ex-secretário de Urbanismo do Rio, talvez seja pelo fato de as moradias do bairro terem “uma escala urbana mais próxima do homem”, já que a legislação impede que o gabarito ultrapasse cinco andares.

Outros especialistas em habitação, como o antropólogo Marco Antonio da Silva Mello, traçam um paralelo entre o cotidiano do bairro e o estilo de vida de um condomínio – o que, para ele especificamente, é alvo de crítica, devido à baixa diversidade social:
– As pessoas em condomínio passam a maior parte do tempo com seus iguais.

Zap o especialista em imóveisApartamento no Quadrado da Urca mostra que toda vista tem seu preço: à venda por R$ 1,5 milhão

Mas os moradores, como o cantor Lenine, um dos famosos da região, são unânimes:
– Temos amor pelo bairro, respeito aos vizinhos, prazer na beleza ao redor, atendimento personalizado pelo comércio, segurança de ir-e-vir e, principalmente, uma paz que só as cidades do interior nos dariam. Sempre digo que não moro no Rio, moro na Urca.

Para o advogado David Polmon, dono do casarão à venda, bom mesmo é fazer compras na vendinha da esquina, anotar o nome e pagar no fim do mês. Seu imóvel está na Área de Preservação do Ambiente Cultural (Apac) da Urca, ou seja, tem isenção de IPTU, desde que não mude a fachada. Ele deixa claro que só está vendendo porque mora só, depois que os filhos saíram de casa:
– Nasci nesta casa, há 69 anos. Quero, agora, comprar um apartamento por aqui.

LEIA MAIS:

Cassino da Urca renasce das ruínas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.