19/11/2014

Como funciona o trabalho do arquiteto?

Como funciona o trabalho do arquiteto?

Fonte: Revista do ZAP

Existem diferentes modalidades de serviço, cujos valores variam de acordo com a complexidade de cada execução

Estamos em um momento muito bom para o segmento de arquitetura e design. Antigamente, poucas pessoas contratavam profissionais para projetar e decorar suas casas, escritórios ou lojas. Esse número, contudo, vem crescendo consideravelmente nos últimos anos. Mesmo assim, existem ainda muitas dúvidas que cercam a profissão e, muitas vezes, afastam possíveis clientes.

Os principais questionamentos dos “clientes de primeira viagem” são relativos a custos e à execução dos projetos. É deles, principalmente, que surgem perguntas como: será que eu posso me dar ao luxo de contratar um arquiteto? Quem me garante que após o pagamento do projeto o profissional continuará me atendendo? Se eu não gostar do projeto, sou obrigado a fazer como o arquiteto quer? Na hora de escolher móveis e objetos de decoração, preciso comprar as peças que ele me indica?

Vamos esclarecer esses questionamentos para trazer mais arquitetura e design para a sua vida?

Começo pelos custos. Existem diversos tipos de projeto, cujos valores variam de acordo com sua complexidade. A modalidade mais simples – consequentemente, mais acessível – é a consultoria, uma espécie de aconselhamento sobre soluções de layout (distribuição de móveis, paredes etc) e acabamentos. Já o estudo preliminar é uma opção intermediária, quando desenvolvemos o projeto completo de todo o ambiente. Envolve soluções em planta e imagens, mas sem detalhamentos técnicos de execução. Por fim, há o projeto executivo, a modalidade mais completa. Nesse caso, entregamos a proposta com detalhamento de móveis, forro e iluminação, granitos e tudo mais que for necessário. É, sem dúvida, a alternativa mais indicada, pois o cliente recebe todos os desenhos necessários para a perfeita execução do projeto, pelos mais diversos fornecedores.

Existe, ainda, um serviço que pode ser contratado à parte e diz respeito à execução do projeto em si. Para os clientes que não têm tempo ou interesse em se envolver na dinâmica da obra, é possível contratar um acompanhamento. Nesse caso, o profissional fica responsável pela fiscalização da obra e está presente para esclarecer dúvidas dos executores quando necessário. O custo do serviço fica em torno de 10% a 15% do valor total da obra. No nosso escritório, por exemplo, isso é estabelecido com o cliente antes do início das intervenções para que a escolha específica de acabamentos e outros itens não impacte o valor. Vale lembrar que, desde abril deste ano, é obrigatória a apresentação de projeto e assinatura de um arquiteto ou engenheiro para qualquer reforma. Nesse acompanhamento que expliquei, a assinatura da RRT já está inclusa no valor.

Em relação ao projeto e à aquisição das peças para os ambientes, você nem precisa se preocupar. Afinal, antes de mais nada, um projeto de arquitetura é um trabalho em equipe – as opiniões e os desejos dos clientes são o mais importante. Assim, para garantir satisfação total, antes do início do projeto, realizamos um programa de necessidades com os clientes que garantirá que todas as exigências constarão na proposta. Ainda, para alinhar expectativas e gostos, nessa etapa é realizada uma troca de referências e idéias para que a conceituação de projeto fique adequada. Além disso, existe um número de revisões (especificadas no contrato) que garantem que o projeto ficará de acordo com as expectativas dos clientes. De qualquer forma, é importante ressaltar que a tarefa do arquiteto é auxiliar e aconselhar o cliente em relação às escolhas de itens, acabamentos e materiais. A escolha final, contudo, é sempre a critério do cliente.

E aí, criou coragem para contratar um profissional para ajudar a transformar a sua realidade? O meu email é arquitetura@andryakohlmann.com.br e estou à disposição para esclarecer qualquer dúvida e, é claro, projetar o ambiente dos seus sonhos. Saiba mais sobre o nosso trabalho no nosso site e Facebook.

Andrya Kohlmann

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.