30/11/2007

Como instalar e limpar a caixa d’água

Fonte: O Estado de S. Paulo

Técnicos e profissionais dão dicas para facilitar a tarefa

A limpeza da caixa d’água pode virar um problema, caso a instalação tenha sido feita de forma irregular. “Muita gente se esquece desse detalhe e acaba colocando a caixa em local de difícil acesso”, diz Ricardo Chaim, gestor do Programa de Uso Racional da Água da Sabesp.

O tipo de material de que são feitas também pode facilitar ou não a tarefa. “As melhores são as de alvenaria. Além de serem dimensionadas de acordo com o consumo, são mais resistentes”, diz o diretor da Artrax, administrador de condomínios, João Luiz Annunciato. A única ressalva refere-se ao tipo de impermeabilização usada. “Encontramos caixas com manta asfáltica, altamente cancerígena”, conta Marcos Carvalho Machado, da MR Dedetizadora e Limpadora, empresa especializada neste serviço.

As de PVC, comuns hoje, ou mesmo de amianto – pouco recomendadas, porém muito usadas no passado -, não podem ser esfregadas com materiais muito duros. “Recomendamos escova de plástico macia. Se for necessário usar pás para retirar a sujeira, ela deve ser também de plástico”, ensina Chaim. Outros materiais irão destruir a impermeabilização nas caixas de PVC e criar ranhuras no amianto, onde as bactérias irão se fixar e criar grandes colônias.

Annunciato alerta também para os riscos da operação. “O forro é um local perigoso para quem não tem experiência”. Além de acidentes, podem ocorrer danos na estrutura do telhado ou forro. Caso a opção seja contratar um profissional, é preciso que a pessoa escolhida seja de total confiança.

Empresas como as de Machado atendem preferencialmente condomínios. Para residência, o preço é de R$ 70 a R$ 100 por caixa. Outra opção, talvez a mais confortável, é contratar um seguro para a casa ou o carro.

A maioria das seguradoras inclui cobertura da mão-de-obra para pequenos reparos, limpezas e conserto de eletrodomésticos. O segurado paga apenas o material.

Dicas para limpeza

MARQUE DIA E HORA: o recomendado é usar os finais de semana. Para não jogar toda a água da caixa fora, faça o cálculo de consumo e feche o registro de entrada, de modo a ir consumindo a água até a hora marcada (se não tiver, feche o registro geral. Os técnicos recomendam que se aproveite a oportunidade para instalação de um registro de entrada). Cada pessoa gasta, em média, 150 litros por dia. Lembre-se de deixar 20% do volume total (um palmo, se a caixa tiver mil litros) para ser usada na limpeza.

FECHE o registro de saída de água da caixa (novamente, se não tiver, providencie a instalação) e o ralo de saída com um pano ou tampão. Em seguida, amarre a bóia.

ESFREGUE as paredes e o fundo com escova de plástico macio ou pano. O pano não funciona nas caixas de fibrocimento. Se for necessário entrar na caixa, use uma galocha para proteger os pés. Se tiver muito lodo ou sujeira sólida, retire com pá e balde.

JAMAIS JOGUE ESSE MATERIAL NO ESGOTO OU VASO SANITÁRIO. Acondicione em sacos de lixo e coloque para ser coletado juntamente com os demais detritos da casa. Esgote a água restante com balde e panos.

NÃO USE escova de aço, vassoura, sabão, detergente ou outros produtos químicos. A primeira fase da limpeza deve ser feita apenas com escovas e água.

SEQUE o fundo com panos limpos e evite passá-los nas paredes. Se soltar pelo ralo, entope todos os equipamentos hidráulicos.

DESINFECÇÃO: Ainda com a saída da caixa fechada, deixe entrar um palmo (200 litros, no caso de caixas com mil litros) de água e adicione dois litros de água sanitária. Escolha produtos que tenham o selo do Inmetro, o que garante o poder desinfectante, e não use marcas com características especiais (com perfume, por exemplo, cloro ativo etc.) Essa mistura deve ficar em contato com o fundo e laterais da caixa por duas horas para que a desinfecção seja completa. Para evitar o desperdício de água, os técnicos da Sabesp ensinam a ir molhando as paredes com uma brocha a cada meia hora mais ou menos. Faça isso do lado de fora da caixa e use uma luva para evitar contato do líquido, que é tóxico, com a pele. A alternativa é encher a caixa e aumentar a quantidade de água sanitária proporcionalmente (1 litro de água sanitária para cada 100 litros de água). Nesse caso, basta deixar descansando por duas horas.

NÃO USE esta água de forma alguma por duas horas.

AINDA COM A BÓIA AMARRADA ou o registro fechado, abra a saída da caixa e a esvazie, abrindo todas as torneiras e acionando as descargas. Isso irá desinfetar todas as tubulações da casa.

PROCURE USAR essa primeira água para lavar o quintal, banheiros e pisos, evitando o desperdício.

TAMPE bem a caixa para que não entrem insetos, sujeiras ou pequenos animais. Isso evita a transmissão de doenças. A tampa tem que ter sido lavada antes de ser colocada no lugar.

ANOTE na agenda (pessoal ou da casa, ou em um local que é costumeiramente consultado) a data da limpeza e da próxima limpeza.

TERMINE abrindo a entrada de água, que poderá ser usada normalmente, para encher a caixa novamente.

 

1 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.