30/03/2007

Como usar o Fundo de Garantia

Fonte: Jornal da Tarde

Esse dinheiro pode ser destinado para comprar, dar entrada ou até mesmo quitar sua casa própria

Marcio Fernandes/AEZap o especialista em imóveisO Fundo de Garantia do Tempo de Serviço pode abrir as portas para a casa própria, podendo ser aplicado tanto para a compra quanto para a quitação

 

Resgatar o dinheiro depositado no Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) para amortizar ou quitar a dívida da casa própria é uma boa opção para quem pretende encurtar o prazo do financiamento assumido com o banco. Mas, antes é preciso descobrir se o interessado atende às exigências impostas pela Caixa Econômica Federal, administradora dos recursos, para liberar o dinheiro depositado.

O valor acumulado do FGTS só pode ser resgatado em intervalos de dois anos. Além disso, o interessado deve comprovar que trabalha há pelo menos três anos sob o regime do Fundo de Garantia e precisa ter o equivalente a 12 vezes o valor da última prestação do financiamento na conta – se a pessoa costuma pagar R$ 1 mil pela parcela do financiamento, precisará ter R$ 12 mil depositados no FGTS na época em que solicitar a liberação dos recursos à Caixa Econômica.

Quem acabou de adquirir uma casa própria, pode decidir por manter o dinheiro depositado na conta do FGTS e resgatá-lo quando houver alguma emergência – como a demissão sem justa causa do emprego. Mas, vale lembrar que manter o dinheiro como uma espécie de poupança não é recomendável. Segundo análise da Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac), sempre que houver a possibilidade, compensa sacar o dinheiro do FGTS para amortizar a dívida.

De acordo com a entidade, o dinheiro do Fundo recebe correção de 3%, mais a Taxa Referencial (TR), todos os anos. Já os financiamentos imobiliários com recursos da poupança, por exemplo, podem chegar a 12%, mais a TR. Assim, usar o valor acumulado do fundo de garantia para quitar parte do saldo devedor do financiamento a cada dois anos é uma maneira de usar um recurso que tem baixo rendimento para amortizar uma dívida mais cara.

A pessoa que financiou, por exemplo, R$ 60 mil em dez anos (120 meses) poderá economizar – usando o FGTS a cada dois anos – mais de R$ 36 mil. E o mutuário ainda conseguirá diminuir quase 36 meses do prazo inicial contratado.

Além de aproveitar o fundo de garantia para encurtar o tempo do financiamento já contratado, é possível usar os valores depositados para pagar parte do valor do imóvel e diminuir a quantia a ser emprestada pela instituição financeira.

Nesse caso, o próprio interessado pode checar os extratos do FGTS – enviados pela Caixa aos titulares das contas – e descobrir quanto de dinheiro há depositado.

Mais informações no site
Telefone 0800 574 0101

Diminuindo a dívida com o FGTS

Financiamento
Financiamento: R$ 60 mil
Prazo: 20 anos
Prestações: 240 x R$ 711,51
Total da dívida: R$ 170.762,40
Renda exigida: R$ 2.846,00
Rendimento do FGTS: R$ 2.794,62 (a cada ano)

Economia
Ao fim da operação: economia de 34% – R$ 57.298,80
Prazo: usando o FGTS a cada dois anos, mutuário eliminaria
80 meses no total

Financiamento
Financiamento: R$ 60 mil
Prazo: 10 anos
Prestações: 120 x R$ 902,49
Total da dívida: R$ 108.298,80
Renda exigida: R$ 3.610,00
Rendimento do FGTS: R$ 3.465,60 (a cada ano)

Economia
Ao fim da operação: economia de 34% – R$ 36.340,25
Prazo: usando o FGTS a cada dois anos, mutuário eliminaria quase 36 meses no total

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.