26/02/2009

Comuns, mas perigosas

Fonte: Jornal da Tarde

Trincas e fissuras podem ser um problema estético, mas também prejudicar estruturas

DivulgaçãoZap o especialista em imóveisAs fissuras ou trincas, popularmente chamadas de ?rachaduras?, podem surgir repentinamente em suas paredes e requerem muito cuidado

Trincas e fissuras em paredes, teto e piso podem parecer inofensivas inicialmente, mas sua abertura pode se desenvolver até se transformar em rachaduras – trincas maiores que expõem a residência ao meio externo e tornam materiais como o aço, que geralmente compõem a estrutura da casa, suscetíveis à corrosão, diminuindo a vida útil da estrutura e podendo até mesmo causar o seu colapso.

Em alguns casos, há urgência de tratamento para evitar graves consequências. O engenheiro José Nicolau Giovanetti, sócio diretor da Pires Giovanetti, empresa de recuperação de estruturas, cita o caso do Edifício Palace 2, no Rio de Janeiro, que desabou em 1998. ?Apenas uma semana antes da queda apareceram diversas fissuras nas paredes do prédio?, lembra.

Giovanetti afirma que o problema está entre os que mais causam transtornos na construção de um imóvel, atrás apenas das infiltrações. Geralmente, os problemas aparecem interligados. ?Caso chova, a fissura pode causar uma infiltração.?

Os tipos de trincas mais nocivos são as estruturais, que causam uma deformação excessiva da estrutura e fazem com que a base da edificação ceda, geralmente como resultado de um choque, sobrecarga ou movimentação da laje e viga.

Outro problema é o recalque da fundação, provocado pelo mal dimensionamento do imóvel ou mudanças de características do terreno no entorno, como a construção de um prédio ao lado de uma casa. ?O problema é comum em obras do Metrô. A acomodação do terreno prejudica a fundação, e a solução é reforçá-la.?

Ercio Thomaz, pesquisador do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) e autor do livro Trincas em Edifícios: Causas, Prevenção e Recuperação, com relação às trincas estruturais, o ideal, antes de qualquer ação corretiva, é atacar a causa. ?Dependendo do problema, a solução é reforçar a fundação, estrutura ou trocar a alvenaria.?

Já as superficiais, geralmente, são causadas por retração hidráulica, provocada pela falta ou excesso de hidratação do concreto. ?A argamassa no sol ou vento perde água muito rapidamente?, lembra Giovanetti. Outro problema comum é a retração térmica, aquecimento ou resfriamento do material na cura.

As fissuras podem ainda ser ?ativas? ou ?passivas?. As ativas abrem e fecham de acordo com a temperatura e carregamento e devem ser tratadas com produtos elásticos. Para as passivas, os mais indicados são produtos rígidos. Para verificar qual o tipo, Giovanetti lembra que basta coloca gesso por cima do problema. Caso a fissura reabra, a fissura é ativa.

ENTENDA – Fissuras são aberturas menores, de até 0,5 mm, enquanto trincas têm abertura acima dessa medida. O termo rachadura é utilizado para designar trincas maiores

As trincas estruturais causam deformação excessiva da estrutura e fazem com que a base da edificação ceda, geralmente como resultado de um choque, sobrecarga ou movimentação da laje e viga, ou recalque da fundação mal dimensionada
Já as causas mais comuns das trincas superficiais são retração hidráulica, provocada pela falta ou excesso de hidratação do concreto, e a retração térmica, provocada pelo aquecimento ou resfriamento do material no processo de cura

As trincas ativas se movimentam conforme a temperatura e devem ser tratadas com produtos elásticos. As rígidas também possuem produtos específicos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.