30/01/2009

Condomínios de SP gastam R$ 154 mil por ano com funcionários

Fonte: Editoria Zap

Pesquisa aponta que a folha de pagamento representa quase a metade do gasto mensal paga pelos moradores

Fotos: Divulgação

A segurança, a limpeza e a administração de um condomínio são necessários, mas custam caro para os moradores. Levantamento da Lello Condomínios, aponta que cada condomínio residencial da capital paulista gasta, em média, R$ 154 mil por ano apenas com a folha de pagamento dos funcionários. Apenas esse item representa 47% da quota mensal paga pelos moradores.

CÁLCULO – O estudo leva em conta o cálculo de despesas de um prédio padrão, de 64 apartamentos, sete funcionários e valor do condomínio em torno de R$ 400,00. Do total gasto com a folha de empregados do prédio, 54% são destinados ao pagamento de encargos como férias, 13º salário, Fundo de Garantia, INSS e vale-transporte, dentre outros. Só com a Previdência Social cada condomínio paulistano gasta, em média, R$ 38,8 mil anualmente.

Outros R$ 70 mil são gastos pelos condomínios por conta do consumo de água, energia elétrica, gás e telefone, que somados representam em torno de 21% das despesas totais. Já a conservação de piscinas, bombas, antenas coletivas, jardins, elevadores, extintores, portões automáticos e equipamentos de ginástica consomem, em média, R$ 40 mil anuais de cada prédio, representando 12% da quota condominial. A conservação dos elevadores é o sub-item mais caro, consumindo R$ 20,2 mil por ano.

A conservação dos elevadores é o sub-item mais caro, consumindo R$ 20,2 mil por ano

REDUZIR – “Se o condomínio deseja reduzir custos a orientação é que a análise se concentre nesses três grandes grupos de despesa, que representam 80% da quota mensal, porém sem nunca abrir mão da qualidade dos serviços e fornecedores”, afirma Angélica Delgado Arbex, gerente de marketing da Lello Condomínios.

Segundo Angélica, a análise das folhas de pagamento muitas vezes aponta que o condomínio está gastando mais com horas extras de funcionários do que se recorresse à contratação de um folguista por exemplo.

LEIA MAIS:

Os pequenos em alta

Economia de água pode chegar a 25% 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.