30/09/2010

Conheça a história do bairro Bom Retiro

Região possui uma importante herança patrimonial e cultural da cidade

Fonte: ZAP

O bairro do Bom Retiro fica localizado entre os rios Tietê e Tamanduateí. No século 19, era formado por algumas chácaras e sítios, como a “Chácara do Bom Retiro” que nomeou o bairro. Estas propriedades eram usadas como retiros de fim de semana pela população abastada da cidade, hoje a região é essencialmente comercial, com as áreas industriais e residenciais.

Passeio no Bom Retiro

José Paulino (Fotos: Divulgação)
Rua José Paulino é a famosa pelo comércio de roupas e acessórios femininas e masculinas (Fotos: Divulgação)

História – Bom Retiro é uma mescla de várias culturas. É possível encontrar na região judeus ortodoxos, restaurantes e docerias de comida judaica, a sinagoga mais antiga de São Paulo e o Taib – Teatro Alternativo Israelita Brasileiro e também cantinas italianas e instituições ligadas à Igreja Católica (como o colégio Santa Inês e Igreja Dom Bosco). Igrejas presbiterianas, restaurantes e a maioria dos estabelecimentos comerciais marcam a presença coreana. Ainda há gregos, lituanos e bolivianos entre os moradores do bairro.

As atividades comerciais, concentradas na rua José Paulino era exercida por imigrantes portugueses e, às vezes, por turcos, sírios ou libaneses. A antiga rua dos Imigrantes era passagem obrigatória para quem vinha do centro da cidade, o que propiciou o estabelecimento deste tipo de atividade na rua. A partir da década de 1960, começaram a chegar os sul-coreanos ao Bom Retiro. Estes imigrantes passaram a comprar as principais lojas do bairro.

Neste período, os judeus começaram a migrar para bairros de caráter mais residencial. Isto aconteceu porque as mais novas gerações de origem judaica constituíam-se de profissionais liberais que não quiseram continuar com os negócios da família. Até colégios tradicionais desta comunidade, como o Renascença, foram transferidos para bairros como Higienópolis que concentra hoje cerca de 40% dos judeus que vivem na cidade.

Estação da Luz
Estação da Luz

Cultura – O bairro possui também uma importante herança patrimonial e cultural da cidade. Ele abriga a Pinacoteca do Estado de São Paulo, o Museu de Arte Sacra de São Paulo, o Museu da Língua Portuguesa (dentro da Estação da Luz), a Estação Pinacoteca (no antigo DOPS) e o Centro de Estudos Musicais – Tom Jobim.

A Estação Júlio Prestes foi restaurada e atualmente abriga a Sala São Paulo, sede da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (OSESP). O antigo solar que pertenceu ao Marquês de Três Rios, Joaquim Egídio de Sousa Aranha, em sua Chácara “Bom Retiro” e mais tarde, abrigando a Escola Politécnica da USP hoje abrigando a FATEC e a ETESP.

Pinacoteca
Pinacoteca

Infraestrutura – A área é atendido pela Linha 1 (Azul) do Metrô de São Paulo e pelas linhas 7, 8, 10 e 11 da CPTM. Ganhou recentemente mais uma linha de metro, a Linha 4 (amarela).

Mercado – Desde 2009, o bairro começou a despertar o interesse de construtoras, que viram um novo nicho de mercado na região, habitada, em sua maioria, por judeus e orientais. Algumas empresas têm planos de investir no segmento residencial do bairro, e empresários do setor afirmam que algumas apostas geraram ótimos resultados.

 

 

 + Quer receber mais dicas de decoração e mercado? Informe seu nome e e-mail no espaço para comentários desta matéria. Os dados não serão publicados nessa página

1 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.