28/08/2008

Consórcios garantem construção e reforma de imóveis por um custo acessível

Fonte: Editoria Zap

Cartas de crédito variam de R$ 20 mil a R$ 300 mil e os consorciados podem pagar em até 150 meses

Zap o especialista em imóveisIsenções de impostos e taxas de juros são as maiores vantagens dos consórcios

Comprar um imóvel novo é como realizar um sonho, mas não se engane. Mesmo um empreendimento novo em folha pode vir recheado de chateações. Uma delas vem disfarçada numa cláusula bastante comum nos contratos de empreendimentos: “o imóvel será entregue sem acabamento”. Significa que o revestimento dos cômodos, o colorido das paredes, o box do banheiro e, claro, a decoração, ficarão por sua conta. Por isso, quem não pode pagar a conta da loja de materiais de construção à vista, por conta do orçamento apertado pela aquisição da casa própria, pode contar com um consórcio para construção e reforma. A Porto Seguro, a Caixa Econômica Federal e a Embracon oferecem o recurso.

Trata-se de planos que proporcionam condições especiais para os consumidores, sem taxas de juros, sem IOF (Imposto sobre operações financeiras), com taxas de administração mais baixas se comparadas à média do mercado e, no caso do plano da Embracon, com a garantia da entrega do material pela rede de lojista associadas ao Sincomavi (Sindicato do Comércio Varejista de Materiais de Construção, Maquinismos, Ferragens, Tintas, Louças e Vidros da Grande São Paulo).

O produto da Porto Seguro, por exemplo, oferece créditos entre R$ 50 mil e R$ 200 mil, com prazo de até 180 meses e, além de utilizar o valor para reformar ou construir uma casa, o Porto Seguro Consórcio pode ser usado para a aquisição de um imóvel, de uma casa na praia ou campo e imóveis comerciais – novos ou usados.  

Zap o especialista em imóveisClientes que querem investir R$ 20 mil na reforma da casa pagam por mês R$ 170

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

“O consórcio dessa modalidade é mais vantajoso porque não sofre influência dos juros. Apenas uma taxa de administração de cerca 19%, diluída no total de parcelas, é cobrada. Nos últimos cinco anos (2003 a 2008) os clientes ativos dentro do segmento de imóveis da Porto Seguro cresceu 175%”, diz Luciene Alencar, gerente da Porto Seguro Consórcio.

Outra vantagem do plano da seguradora é a possibilidade de resgatar o FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) para oferecer lances ou complementar a carta de crédito. A empresa possui parceria com agentes financeiros que viabilizam o saque do Fundo em prazos e custos mais vantajosos. Para acelerar a contemplação, o consorciado ainda pode usar até 30% do seu crédito para dar um lance. “As parcelas dos nossos consorciados variam de R$ 556 a R$ 1.390 ao mês. É preciso optar pelo prazo que caiba com folga no orçamento para não correr o risco de ficar inadimplente”, afirma Luciene.

No caso dos produtos da CEF (Caixa Econômica Federal), Antônio Limones, diretor da Caixa, afirma que para os clientes que pensam em reformar ou ampliar o imóvel a empresa disponibiliza os planos que variam de R$ 30 mil a R$ 300 mil com prazos de 120 meses ou 150 meses. “Comparando com as formas de pagamento disponíveis nas redes de materiais de construção, o consórcio tem mais benefícios, como a isenção de taxas de juros e outros impostos. Os clientes terão que pagar apenas a tarifa de administração que para o prazo de 120 meses do nosso serviço sofrerá um acréscimo de aproximadamente 0,12% ao mês”, explica Limones.

Zap o especialista em imóveisCliente pode optar por comprar uma casa ou realizar uma reforma ou construção

Para participar do consórcio, o cliente só precisa ser proprietário de imóvel urbano ou comercial, livre de qualquer ônus real, e que esteja localizado em território nacional. Segundo a instituição financeira, para iniciar as obras o consorciado deve apresentar o laudo de análise, que é o projeto da reforma ou da ampliação aprovado pela Prefeitura, junto com suas especificações, orçamento e cronograma, além da identificação dos responsável pela execução da obra.

Já as cartas de crédito para construção e reforma oferecidas pelo consórcio da Sincomavi variam de R$ 20 mil a R$ 220 mil e podem ser parceladas em até 150 meses.  De acordo com Antonio Mizael Catharino, gerente regional da Embracon, administradora do produto, os clientes que querem investir R$ 20 mil na reforma do seu apartamento pagam em 150 meses algo em torno de R$ 170. Quem optar por um plano de R$ 80 mil deve gastar R$ 880 ao mês. “As duas condições têm prestação suportável. O consumidor ainda tem a opção de utilizar o valor para comprar uma casa ou reformar e construir. Neste caso, os materiais são adquiridos nas lojas associadas ao Sincomavi”, conta Catharino.

Para o gerente regional da Embracon, apesar de as condições satisfatórias dos planos, os brasileiros ainda não conhecem os produtos, portanto prevê que a modalidade ganhe mais força nos próximos meses. “Segundo um levantamento da Anamaco (Associação Nacional dos comerciantes de Material de Construção), 20% dos lares pretendem construir ou reformar nos próximos seis meses. O plano que oferecemos atende as  necessidades dos brasileiros, que estão acostumados a fazer esse tipo de planejamento para adquirir o que quer”, diz Catharino.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.