14/01/2007

Contrato entre as partes é indicado, mesmo que seja para períodos curtos

Fonte: O Globo

Turistas devem estar atentos às características de locação de cada cidade

Cada região guarda as suas peculiaridades também no que diz respeito ao aluguel por temporada, e é bom conhecê-las antes de arrumar as malas. Em Rio das Ostras, por exemplo, a maior procura é por imóveis no Centro e na Costa Azul. Como as casas e apartamentos estão muito próximos à praia, é raro encontrar imóveis com piscina:

— Nos imóveis próximos à praia, apenas 5% dos disponíveis para temporada costumam ter piscina — garante a gerente da Correta Imóveis, Raquel Franco.

Há alguns municípios sem muita oferta de imóveis para alugar por temporada. É o caso de Nova Friburgo, onde as administradoras têm poucas casas disponíveis. Nesses casos, o visitante deve fazer contato com as imobiliárias com antecedência. As empresas, então, procuram proprietários interessados em alugar as residências por prazos menores:

— A procura por esse tipo de locação não costuma ser muito grande. Mas, quando é o caso, buscamos imóveis com as características desejadas pelo cliente e propomos o negócio ao proprietário — explica Leonardo Pedretti, gerente da Ricardo Pedretti Imóveis.

Com o inventário em mãos, o inquilino deve fazer vistoria

Segundo o gerente de Marketing da Judice Araujo Imóveis, Vagner Esteves, que cobre a área de Petrópolis, 90% dos interessados em locação por temporada na cidade são provenientes do Rio de Janeiro. São famílias que procuram tranqüilidade e, principalmente, temperaturas mais amenas do que as marcadas nos termômetros da capital neste período de alto verão:

— Em geral, buscam temporadas de um mês. Se um dos cônjuges precisa voltar ao trabalho antes de expirar o prazo, a proximidade com o Rio permite ir e vir sem contratempos, enquanto a família desfruta dos atrativos da cidade, como passeios ecológicos.

Os amantes do mergulho têm a opção de Arraial do Cabo, na Região dos Lagos. Lá, segundo Marcelo Simas, que trabalha com aluguel por temporada, o mês de janeiro costuma atrair mais visitantes do que o carnaval. No entanto, o período chuvoso na primeira quinzena do mês mudou um pouco esse panorama:

— Mesmo assim, acabamos recebendo muitos paulistas que, por causa da crise da aviação, preferiram viajar de carro.

Segundo especialistas, locadores e locatários devem estar atentos às especificações desse tipo de negociação para escapar de contratempos.

— É fundamental que as partes façam um contrato, por menor que seja o período negociado — afirma o professor de direitos civil e imobiliário da Universidade Estácio de Sá, Luís Fernando Marin.

A seguir outras orientações que, segundo especialistas, devem ser observadas:

Inventário: É importante que o inquilino faça uma vistoria minuciosa no imóvel e verifique as condições de objetos e utensílios que estejam discriminados em documento. Esse tipo de medida pode prevenir cobranças abusivas ao fim do período. No caso de bens de alto valor, é prudente que o proprietário relacione o valor dos mesmos.

Condomínio: Se o imóvel está num condomínio, o contrato deve estabelecer que danos a áreas comuns, causados pelo inquilino, devem ser pagos por ele.

Período: A locação temporária não deve exceder 90 dias. Depois desse prazo, passa a ser regido pelas regras da locação convencional.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.