29/01/2010

Corte de IPI não será prorrogado

Fonte: O Estado de S. Paulo

Para ministro Mantega, já é hora de se retirar os incentivos para a venda de carros e linha branca

Para ministro Mantega já é hora de se retirar os incentivos (Foto: Divulgação)
Para ministro Mantega já é hora de se retirar os incentivos (Foto: Divulgação)

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse ontem que está na hora de o Brasil começar a retirar as medidas fiscais para socorrer a economia e garantiu que os incentivos serão eliminados. Ele adiantou que a isenção fiscal (redução do Imposto sobre Produtos Industrializados) para a linha branca acabará neste fim de semana e o incentivo ao setor automotivo também tem data marcada para terminar. Segundo ele, a indústria sofreu contração de 5% a 6% em 2009, mas as perspectivas são de crescimento para 2010.

Apesar de defender o fim dos pacotes criados para ajudar a economia a enfrentar a crise, Mantega diz que o Estado precisará garantir uma nova regulação ao sistema financeiro internacional e manter sua presença. Hoje, Mantega defenderá a tese da importância do papel do Estado aos empresários reunidos no Fórum Econômico Mundial, em Davos, e cobrará a aceleração de reformas no sistema financeiro.

Segundo Mantega, o fim dos incentivos fiscais criados para dar fôlego às vendas de eletrodomésticos já em um sinal de que o Brasil começa a adotar sua estratégia de saída dos pacotes. “Os estímulos fiscais estão sendo desativados e chegando ao fim.”

Desde que foram criados, os incentivos passaram por várias renovações. Na véspera de seus prazos, o governo evitava dar indicações se manteria a medida ou não, até mesmo para incentivar os consumidores a manterem suas compras e não adiarem decisões. Questionado se a decisão seria para valer desta vez, Mantega insistiu que sim, garantindo que não seria uma estratégia de comunicação do governo. “Achamos que, se a economia está crescendo, ela não precisa mais da ajuda do Estado.” Ele garantiu que os incentivos para a compra de veículos vão acabar em 31 de março. “Isso não será renovado.”

Para 2010, Mantega estima que o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) ficará entre 5% e 5,5%, puxado por consumo doméstico e investimentos. Mas rejeita a tese de um superaquecimento da economia e de risco de inflação.

“A preocupação no Brasil é se vamos crescer demais ou não. Essa é a discussão que está sendo colocada. Não sou em quem a coloco. Há quem diga que o País poderia crescer entre 6% e 6,5%”, disse. “Mas não acho que há nem bolha nem superaquecimento da economia brasileira. Quem diz isso está fazendo um prognóstico apressado. Estamos apenas recuperando o que perdemos.”

LEIA MAIS:

VOLTA DO IPI NÃO SERÁ REPASSADA DE IMEDIATO

SETOR DE MÓVEIS TEVE ISENÇÃO DE IPI, MAS FABRICANTES QUEREM REAJUSTE DE PREÇOS

GAVETAS GANHAM DIVISÓRIAS PARA FACILITAR A VIDA DE QUEM GOSTA DE COZINHAR

1 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.