09/03/2009

Cortes nos gastos do condomínio exigem critérios

Fonte: Editoria Zap

Qualidade da prestação de serviços aos condôminos deve vir sempre em primeiro lugar, orienta a Lello

Revisar as despesas do condomínio, buscando eventuais exageros no orçamento, é essencial para reduzir o valor pago mensalmente pelos moradores. Mas a economia a qualquer preço pode fazer com que o barato, depois, saia caro. Essa é a orientação da Lello, administradora de condomínios no Estado de São Paulo.

A segurança dos condôminos e a qualidade e garantia dos serviços prestados pelos fornecedores, como empresas de manutenção e conservação, por exemplo, não pode ser comprometida pelos cortes no orçamento.

“Uma reforma barata, porém mal feita, pode gerar problemas estruturais e, consequentemente, novos gastos ao condomínio”, exemplifica Angélica Arbex, gerente de Marketing da Lello Condomínios.

Segundo Angélica, o primeiro item a ser revisado é a folha de pagamento do condomínio, responsável por aproximadamente metade do valor da quota pelos moradores. Um dos vilões são as horas extras realizadas pelos funcionários, e muitas vezes a contratação de folguistas ajuda a resolver o problema.

Outra medida essencial é o síndico realizar campanhas de uso racional de água nos apartamentos, instalar sensores de presença e estipular regras para o uso de energia elétrica nas áreas comuns. “Conhecendo o perfil econômico dos moradores e as necessidades do condomínio, sempre é possível economizar”, conclui a gerente da Lello.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.