24/05/2010

Crédito imobiliário deve se tornar principal estrela

Fonte: O Estado de S. Paulo

Para executivos e economistas do setor, maior expansão agora vai ocorrer no financiamento para a compra de imóveis

(Foto: Divulgação)
Crédito imobiliário do banco deve crescer acima de 30% em 2010 (Foto: Divulgação)

Rio de Janeiro – O crédito ao consumo deve continuar a crescer, mas não num ritmo tão explosivo quanto desde o início desta década. No seu lugar, como principal estrela do mercado de crédito à pessoa física no Brasil, devem entrar os financiamentos imobiliários. Essa é, em resumo, a visão de economistas e executivos do setor ouvidos pelo Estado.

“O crédito à pessoa física relacionado ao consumo ainda não esgotou seu potencial de crescimento, mas já não é mais uma aberração como o crédito imobiliário, que está extremamente defasado e traz agora o grande potencial de expansão”, diz Octavio de Barros, diretor de Pesquisa Macroeconômica do Bradesco.

Segundo Nilson Pelegrino, diretor do Departamento de Empréstimos e Financiamentos do Bradesco, o crédito imobiliário do banco deve crescer acima de 30% em 2010. “Estamos com operações de R$ 800 milhões a R$ 1 bilhão por mês, entre financiamento aos mutuários finais e crédito a construtoras.”

Para a economista Luíza Rodrigues, do Santander, a tendência é que o crédito imobiliário, que hoje não passa de 3% do PIB, cresça para um nível acima de 20% ao longo dos próximos anos: “É um porcentual normal para um país emergente”. Nos Estados Unidos, é acima de 100% do PIB. Luíza acrescenta que o juro de 10% ao ano parece um “número mágico”, a partir do qual se nota um crescimento acelerado do crédito imobiliário.

SELIC – Um possível fator de desaceleração do crédito para a pessoa física é o início do ciclo de altas da Selic, o juros básico, para segurar a inflação. Para Giovanna Siniscalchi, economista do Itaú-Unibanco, o aperto da política monetária “deve reduzir o ritmo, mas não levar a crescimento negativo”.

Rubens Sardenberg, economista-chefe da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), acha fundamental que as políticas fiscal e monetária evitem um susto inflacionário, que poderia provocar um pinote nas taxas de juros e interromper de forma mais traumática a expansão do crédito. “Se esse aperto vier como se espera, ele vai apenas moderar o crescimento da economia não atrapalha.”

LEIA MAIS:

CRESCE A PROCURA POR CORRETOR DE IMÓVEIS

IMÓVEIS NOVOS EM SP SÃO CADA VEZ MENORES E MAIS CAROS

FINANCIAMENTO IMOBILIÁRIO SOMA R$ 22,47 BI NO ANO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.