10/08/2007

Crédito que virou débito

Fonte: Jornal da Tarde

Vítima do golpe da cota contemplada, representante comercial teve frustrado o sonho da casa própria

Niels Andreas/AEZap o especialista em imóveisDelegado Antônio Carlos Barbosa Menezes mostra pilhas de inquéritos sobre golpes envolvendo a compra de casa própria e financiamentos

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A carta de crédito que o representante comercial Antonio Carlos Macena, 36 anos, adquiriu há cerca de um ano para dar entrada no sonho da casa própria acabou se tornando uma dívida nada modesta. A empresa financeira de quem ele havia comprado uma cota contemplada no valor de R$ 80 mil revelou-se meses depois uma quadrilha organizada que atuava com o golpe do empréstimo fácil.

Os criminosos foram detidos logo depois, mas os R$ 13 mil que ele havia pedido emprestado ao pai para depositar como sinal e assegurar a liberação do dinheiro não foram ressarcidos. “Era uma empresa de fachada muito bem organizada. Fiquei sabendo depois que várias outras pessoas caíram. Algumas tiveram prejuízo de R$ 30 mil”, lembra Macena, que foi pessoalmente à sede da falsa instituição, no Jabaquara, Zona Sul, da Capital, pagar pela cota.

Representante comercial recorda ainda que estava tão ocupado com seu trabalho na época que só desconfiou do golpe quando o prazo para a liberação do crédito – que deveria ser imediata – havia expirado, e o dinheiro não havia aparecido. Ele queria a verba o quanto antes para dar entrada em um apartamento na região do Jaguaré, Zona Oeste. “Hoje, continuo morando com meu pai. Não recuperei o dinheiro e não acredito que irei recuperar.”

Segundo a Polícia Civil, esse tipo de fraude costuma envolver ilegalmente, sobretudo, nomes de instituições idôneas que atuam em outros Estados ou cidades. Por isso, a orientação é sempre checar se há escritório autorizado para representá-la na região.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.