17/11/2009

Curto-circuito causou apagão, diz ministério

Fonte: O Estado de S. Paulo

Comunicado no site do Ministério de Minas e Energia mantém versão de mau tempo na região de Itaberá, em SP

O Ministério de Minas e Energia informou que o apagão de 10 de novembro, que atingiu 18 Estados, foi provocado por curtos-circuitos próximos à subestação de Itaberá, em São Paulo. A informação foi divulgada em comunicado no site do ministério, que mantém a versão de que a região enfrentava mau tempo.

“Pouco depois das 22 horas da terça-feira passada, curtos-circuitos próximos à subestação de Itaberá, em São Paulo, provocaram o desligamento de três linhas de alta tensão que transportavam energia da Usina de Itaipu e do sistema Sul”, diz o texto. “No momento da interrupção, a região enfrentava descargas atmosféricas, ventos e chuvas intensas.”

O comunicado foi divulgado na noite de domingo, com o objetivo de esclarecer informações a respeito do incidente. Durante os primeiros dias após o apagão, houve grande ceticismo com relação à possibilidade de raios derrubarem simultaneamente as três linhas que trazem a energia de Itaipu para a Região Sudeste.

Hoje, as partes diretamente relacionadas ao apagão se reúnem na sede do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) para apresentação de relatório sobre o tema. Elaborado pelo ONS com base em informações da operação do sistema, o relatório deve sustentar a versão de que três raios atingiram as linhas, provocando o curto-circuito – confirmada ao Estado pelo presidente da entidade, Hermes Chipp, na sexta-feira.

O ONS informou, porém, que o teor do relatório só deve ser divulgado amanhã. As investigações sobre o apagão ficarão a cargo da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), informou o ministro Edison Lobão, que admitiu a possibilidade de criar uma representação do ONS em São Paulo, como quer o governo estadual.

Em rápida entrevista após a abertura da conferência Brazil Global Energy ontem, no Rio, o presidente de Furnas, Carlos Nadalutti, descartou a hipótese de falha humana no episódio. Segundo ele, o nível de automação do sistema não permitiria a ocorrência de erro pelos funcionários da empresa.

Assim como outras autoridades do setor, ele elogiou o nível de segurança da rede brasileira de transmissão. “O sistema está bem dimensionado, tem a melhor engenharia, é forte.”

No comunicado de domingo à noite, o ministério disse que o governo trabalha para evitar “novos transtornos para a população e para a economia” e orienta os consumidores que tiveram aparelhos elétricos danificados a procurar a distribuidora local de energia em um prazo máximo de 90 dias para pedir ressarcimento pelo prejuízo.

ENCONTRE SEU IMÓVEL NO ZAP:

LEIA MAIS:

CONDOMÍNIOS DE LUXO AGORA TÊM GESTÃO “PERSONNALITÉ” EM SP

PREFEITURA ESTUDA FAZER A CALÇADA E COBRAR NO IPTU

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.