27/01/2009

Decorada com o coração

Fonte: O Globo

Confira a decoração da casa da Selminha Sorriso, porta-bandeira da Beija-Flor

O amarelo de paredes e flores é uma homenagem a Oxum, orixá da riqueza, do amor e da fecundidade. O azul dos estofados é uma alusão à escola de samba do coração, a Beija-Flor, atual campeã do carnaval carioca. Assim é a casa de Selminha Sorriso (Selmynha Sorrizo, segundo a numerologia), porta-bandeira da azul-e-branco de Nilópolis desde 1996: decorada por ela, com o jeito dela, cheia de história.

O apartamento, um dois-quartos na Vila Valqueire, onde mora com o filho Igor, foi comprado há cinco anos. Antes disso, Selminha morou por oito meses em Teresópolis, mas não se adaptou à distância.

Vila Valqueire é onde meu filho nasceu e é aqui que quero criá-lo. É um bairro residencial, com comércio farto. Aqui tenho vizinhos, todo mundo se conhece. É tudo muito tranquilo e confortável  afirma a porta-bandeira, que é formada em direito e também dá expediente como soldado do Corpo de Bombeiros.

Mística, a porta-bandeira se cercou de objetos de decoração que, para ela, emanam energia positiva. A começar pela imagem de Oxum, de quem é devota. Mas Selminha tem ainda uma Nossa Senhora de Aparecida – ela sempre vai à Basílica de Aparecida do Norte, em São Paulo  e duas imagens de Buda, que vieram do Japão.

Frequento um templo budista, o que me dá muita paz. Quando fui ao Japão, comprei uma imagem e ganhei a outra de um amigo que tem um restaurante brasileiro lá. E sempre que alguém próximo faz aniversário, procuro um Buda para presentear – revela ela, que já conheceu vários países fazendo shows de carnaval.

Lembranças dessas viagens, aliás, estão em toda a parte da sala de Selminha. Na cristaleira, ela guarda os cristais que trouxe da Suécia; na parede, um relógio de pêndulo, daqueles com cuco, trazido da Suíça. Os objetos de decoração que mais gosta, no entanto, são a bandeira usada na primeira vez que foi campeã pela Beija-Flor, em 1998, e um beija-flor esculpido em madeira, de Macapá.

A escola homenageou o Estado do Amapá no ano passado e, quando vi o adorno na casa do ex-prefeito João Henrique Pimentel, pedi que ele me desse, para dar sorte. Ele me deu e a escola ganhou! – conta Selminha.

Uma outra peça que guarda de Macapá é uma máscara esculpida em madeira, que pendurou na parede da varanda, o cantinho preferido da porta-bandeira na casa.

Eu quis dar ares de casa de veraneio à varanda, mesmo com o ambiente não sendo grande. Por isso, optei pelos móveis de vime. É o lugar em que me sinto mais livre.

LEIA MAIS:

O refúgio do maluco-beleza de A Favorita

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.