16/12/2007

Demanda por espaço refletirá no custo

Fonte: O Estado de S. Paulo

Construtoras já prevêm o aumento da metragem de suas unidades; entretanto, o valor será mais alto

Para as construtoras e incorporadoras, os custo das unidades é o maior problema quando se fala em empreendimentos que atendam às necessidades das pessoas com deficiência. “Quando se faz um apartamento com 120 centímetros de largura no corredor e 80 centímetros nas portas, isso aumenta muito a área privativa do imóvel”, explica José Albuquerque, diretor de Incorporação da Company.

Segundo ele, um apartamento de dois dormitórios, que pode ter 60 metros quadrados, se adaptado às condições para atender o público deficiente terá um incremento de pelo menos 10 metros quadrados, o que aumentará o preço do imóvel. “Com isso, você queima parte da sua área de vendas e acaba construindo menos unidades”, complementa.

O mesmo problema é apontado pelo gerente de Projetos da Camargo Corrêa Desenvolvimento Imobiliário, Victor Roque. “Num espaço que poderia ser feito um apartamento de três dormitórios, só se consegue construir dois.”

Ambas as empresas entretanto, pretendem lançar, a partir de 2008, empreendimentos que dentro dos padrões que o público em questão necessita. A Camargo Corrêa, por exemplo, planeja construir unidades sem colunas no meio do apartamento, o que permite que qualquer parede seja removida.

A Company construirá um condomínio 100% adaptável, na zona sul de São Paulo. Entretanto, serão apartamentos com área privativa em torno de 180 m², cujo custo será em torno de R$ 600 mil.

Soluções sob demanda 

Das construtoras procuradas pela reportagem, a Klabin Segall é a única que já oferece uma solução mais próxima do que pedem os deficientes. De acordo com o diretor-técnico da empresa, Silvio Chaimovitz, nos empreendimentos construídos por eles é possível fazer alterações na planta com a finalidade de ajustar melhor o imóvel ao cliente com deficiência. “Adaptamos ítens como altura dos interruptores, largura de corredores e portas, etc.” O executivo afirma que, se a solicitação for feita antes do início da obra, o custo da adaptação é quase zero. Não aumentamos a área útil; o que fazemos é diminuir em um lugar para ganhar o espaço necessário no outro.”

Adaptação

DivulgaçãoZap o especialista em imóveisAdaptação – Perspectivas da obra no banheiro do casal Daroz: tudo disponível do lado direito

Para quem não quer, ou não pode, comprar um apartamento novo, existe também a possibilidade de adaptar um ambiente já construído. É o que está fazendo o casal Ana Luiza e Luciano Daroz. Há quase três anos o marido perdeu os movimentos do lado esquerdo do corpo. “Tivemos que adaptar o banheiro de forma que tudo estivesse ao lado direito dele”, explica Ana Luiza.

Divulgação Zap o especialista em imóveis

Ela retirou o box, a banheira de hidromassagem e removeu todos os degraus do banheiro. “Colocamos também barras de ferro próximas ao chuveiro e ao vaso sanitário.” Ela conta que a obra toda ficou em torno de R$ 10 mil.

O custo desse tipo de obra não foge muito aos padrões comuns de construção, segundo explica Eduardo Ronchetti, responsável pelo escritório Mobilidade Arquitetura, especializado em adaptações de ambiente para pessoas com deficiência. “O custo da adaptação em um banheiro fica em torno de R$ 600 e R$ 1000 por m², dependendo do padrão da obra”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.