28/07/2007

Depósitos conquistam pela atenção e ofertas

Fonte: Jornal da Tarde

Algumas lojas chegam a fazer sorteio de brindes para atrair clientela; forma de pagamento é facilitada

Niels Andreas/AEZap o especialista em imóveisJosé Cardoso oferece financiamento com financeira e parcelamento em cartões de crédito na Zona Norte

As ofertas e as facilidades de pagamento no mercado dos pequenos depósitos de material para construção variam conforme a estrutura da loja, mas são responsáveis por atrair e fidelizar o cliente nos bairros mais afastados. Enquanto algumas oferecem financiamento por meio das financeiras ou parcelamento simples (em três vezes) nos cartões de crédito dos bancos tradicionais, outras apostam em sorteio de brindes para compras acima de um determinado valor.

Na loja do comerciante Nilson Yogui, na Avenida Imirim, 3.100, na Zona Norte, por exemplo, a cada R$ 30 em compra o cliente concorre ao sorteio de duas bicicletas. “Temos que oferecer mais opções e atrativos para nossos clientes”, justifica. O depósito que começou vendendo apenas cimento e concreto em 1968 hoje tem uma diversidade maior de produtos.

“Não dá para concorrer com as grandes em alguns produtos, como piso e azulejo, mas em outras áreas nós temos boas ofertas. A gente procura sempre aumentar o nosso mix de produtos”, conta Yogui. “Melhorando a qualidade e o preço nós vamos sobrevivendo”, complementa.

Já a loja do comerciante José Miguel Cardoso, na Avenida Parada Pinto, 416, Vila Nova Cachoeirinha, dispõe de um atendimento com a BV Financeira que facilita o pagamento em até 24 vezes no cheque, com juros de 3,5% ao mês, e em 18 vezes no carnê com juros a 5%. Além disso, a loja trabalha com os cartões de financiamento do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal.

Ele conta que embora a diversidade de materiais tenha crescido nos últimos anos, ainda são o tijolo, o cimento e a areia os carros-chefe de suas vendas. “A material bruto ainda é o que mais sai”, afirma. Uma explicação seria o perfil de seus clientes, a grande maiora moradora do entorno. Outro motivo seria os sucessivos aumentos de matérias-primas que compõem os outros produtos da loja, como o cobre e o ferro. “Alguns produtos têm aumentado muito. Daí temos de passar para o consumidor.”

Para tentar diversificar ainda mais a clientela, Cardoso tem investido em propagandas em jornais de bairro e no melhor atendimento dos consumidores. “Faço alguns anúncios em jornais e rádio. Mas a melhor propaganda é tratar bem o cliente. Por isso tenho clientes na Vila Mariana, Pinheiros e na Lapa”, diz. Uma outra saída é colocar todo o mês um produto da loja em promoção para atrair o consumidor local.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.