01/06/2009

Disque-vizinho vira mania no Rio de Janeiro

Fonte: Jornal EXTRA

Os murais de aviso dos edifícios têm anunciado todo tipo de serviço que o morador pode ter a sua disposição sem pôr o pé na rua, usando apenas o interfone

Moradores de condomínios do Rio que vivem na correria estão se beneficiando de um serviço cada vez mais comum nos prédios da cidade: o “disque-vizinho”. Manicure, cabeleireira, explicadora, artesã, vendedores, babás de cachorro… Os murais de aviso dos edifícios têm anunciado todo tipo de serviço que o morador pode ter a sua disposição sem pôr o pé na rua, usando apenas o interfone.

“Numa emergência, tem sempre alguém para vender um presentinho de última hora, para uma festa na escola do filho ou de algum parente”, contou a dona de casa Rossana Maria Carvalho, de 50 anos, que faz e vende sabonetes artesanais num condomínio de Copacabana.

A estudante Fabiana Rosa Santos, de 28 anos, toma conta e dá banho nos cães da vizinhança, no mesmo condomínio de Rossana. Ela começou com o trabalho há dois anos, quando uma moradora teve que viajar e pediu sua ajuda. De lá pra cá, todo mundo do prédio já sabe quem contratar quando o bichinho de estimação precisa de companhia ou de uma boa limpeza.

Cartões de Natal, Dia das Mães e outras datas emblemáticas também podem ser comprados pelos vizinhos sem sair de casa, porque o morador do prédio Fábio Goes, de 36 anos, oferece o serviço. Ele faz também cartões de visita e monta até uma banquinha para vendê-los.

No condomínio Quinta das Palmeiras, em Niterói, vários vizinhos oferecem serviços. É o caso da professor Anielen Lau, de 28 anos, que dá aulas particulares para crianças e adolescentes. Ela começou com um aluno e hoje já tem 15.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.