27/04/2007

‘É maravilhosa’, dizem corretores

Fonte: Jornal da Tarde

Do ponte de vista da venda de imóveis, região da Saúde é uma das mais disputadas da cidade

Alvaro Motta/AEZap o especialista em imóveisPraça José Ramos, que fica junto à Rua Aquiles de Almeida: tranqüilidade é uma das marcas da região da Saúde

A Saúde é vista no mercado imobiliário como uma macrorregião, que engloba vários bairros, entre eles o Jardim da Saúde e o Bosque da Saúde, além da própria Saúde.

A ‘zona de valor’ é uma só, o que significa que os imóveis em qualquer um dos bairros tem valor de compra e venda similares. Mas existem algumas diferenças nas características construtivas dos bairros. O Jardim da Saúde, por exemplo, é principalmente residencial e foi, em 2002, tombado pelo Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo (Conpresp). Assim, tornou-se um espaço urbano com valor histórico e referencial do processo de urbanização da periferia paulistana.

Por isso, construir edifícios residenciais ou comerciais ali é praticamente impossível. Mas, o mercado imobiliário de olho na grande procura por imóveis no bairro, devido à sua localização privilegiada, facilidade de acesso e grande oferta de redes de transporte e serviços, tem insistido em investir por lá.

Prova disso, é que são muitos os lançamentos de imóveis na região. A construtora Setin levou para o bairro o seu conceito modelo de construção, o ‘Mundo Apto’, sucesso entre as vendas da construtora. Lançado em março do ano passado, o empreendimento já tem mais de 90% das unidades vendidas. “Consideramos a região muito promissora. Temos interesse em continuar investindo por lá, mas existe dificuldade em comprar terrenos”, conta o diretor comercial da Setin, Guilherme França.

Uma das dificuldades das construtoras é conseguir terrenos ‘generosos’ para a construção de prédios de apartamentos residenciais, e, com o tombamento de uma área considerável do Jardim da Saúde, isso se tornou ainda mais difícil.

O diretor de marketing da Itaplan Imóveis, Fábio Rossi Filho,concorda com França. “O bairro já está formado, por isso, para adquirir um terreno por lá é preciso comprar de cinco a seis imóveis, e isso leva mais tempo. Além disso, ajuda a valorizar ainda mais os imóveis que já estão no bairro.”

Mas, isso não é empecilho para a Itaplan, uma das empresas do mercado imobiliário que mais apostou em vendas na Saúde. “Foram mais de cem lançamentos”, diz Rossi Filho. Ele ainda caracteriza a região como ‘maravilhosa’ no quesito vendas.

“A Zona Sul tem alguns bairros que são considerados pontos fortes e atrativos para vendas de imóveis, e, sem dúvida, um deles é a Saúde”, explica.

Segundo o diretor da Itaplan, além da proximidade com as estações de metrô da Linha 1 (Azul), o bairro ainda oferece fácil acesso a outras regiões importantes como a Avenida Paulista, os bairros Ipiranga, Moema e Indianópolis, as cidades do ABCD e ao Aeroporto de Congonhas – mas sem o inconveniente do barulho dos aviões.

Rossi Filho aposta na excelência da região para vendas. “Temos imóveis lá de um, dois, três e quatro dormitórios. Isso prova a diversidade de produtos com que conseguimos trabalhar ali.”

Outra característica importante do bairro, segundo o diretor de marketing, é a migração que ocorre na Saúde. “Quem sempre morou lá, não sai e quem vem de outras regiões, gosta e não quer mais sair”, completa.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.