27/04/2009

É só fechar negócio

Fonte: Jornal da Tarde

Casa pronta vale no pacote da habitação; interessado em comprar um imóvel pelo programa ?Minha Casa, Minha Vida?, que oferece condições especiais de financiamento, pode buscar unidades já prontas – e não só as que estão na planta. Para isso, é preciso ter o ?habite-se?

Zap o especialista em imóveis

Famílias com renda entre três e dez salários mínimos já podem adquirir, na Grande São Paulo, imóveis prontos para morar utilizando as vantagens do programa ?Minha Casa, Minha Vida?. Apesar de estar voltado principalmente para projetos em fase inicial, o programa também permite o financiamento de unidades acabadas, desde que o empreendimento tenha obtido o ?habite-se? após 26 de março.

Essa foi a data em que os detalhes do programa foram publicados no Diário Oficial da União. De acordo com o superintendente regional da Caixa Econômica Federal, Válter Nunes, existem na região metropolitana imóveis que estão prontos ou em fase final de construção que se encaixam no programa. ?A pessoa já pode morar neles?, afirma.

O ?habite-se?, emitido pelas prefeituras, é o documento que libera a ocupação, depois que a obra é concluída. ?Se a pessoa for procurar um apartamento pronto, de até R$ 130 mil, basta verificar se o ?habite-se? foi emitido após o dia 26?, diz Nunes. Se a renda da família for de até dez salários mínimos (R$ 4.650), o financiamento poderá ser fechado com a Caixa. O banco não sabe estimar, porém, quantas unidades estão nesta situação.

Boa parte dos empreendimentos está em fase inicial de comercialização ou de obras. No último fim de semana – o primeiro desde que o programa começou a valer – o número de visitantes nos plantões de venda disparou, assim como as consultas sobre o programa nas páginas de construtoras e da Caixa na internet.

Segundo Sergio Amaral, diretor de Vendas da MRV, só no último final de semana o número de visitas nos estandes da companhia aumentou 40%. Ele observa ainda que, antes do pacote, a média diária de consultas ao site da empresa era de 30 mil acessos. Depois, o número de visitantes dobrou.

Antonio Guedes, diretor de Novos Negócios da Cyrela, afirma que a consulta virtual aos produtos da marca Living, bandeira do segmento econômico da empresa, subiu de uma média diária de 40 mil acessos para 55 mil acessos em abril.

Ele diz que os plantões de vendas do segmento costumam receber 600 visitas ao mês. Em abril, o número deve fechar em 900 visitas. Segundo ele, as vendas também ganharam fôlego. Nesta semana, entre domingo e quinta-feira, foram comercializadas 57 unidades. A média anterior ao pacote, nos mesmos dias, era de 25 unidades.

Leonardo Diniz, diretor Comercial da Construtora e Incorporadora Rossi, afirma que as visitas aos estandes da companhia cresceram 35% desde a última semana de março.

Robson Toneto, diretor de Vendas da construtora M.Bigucci, credita aos efeitos do pacote o fato de que, no fim de semana do feriado de Tiradentes, a empresa tenha vendido três unidades de um empreendimento em São Bernardo do Campo, na Grande São Paulo. ?No final de semana anterior não havíamos vendido nenhuma unidade?, afirma.

COMO FUNCIONA:
RENDA
– Famílias com renda de até três salários mínimos (R$ 1.395) terão subsídios para a compra de imóveis. Na Grande São Paulo, porém, ainda não existem unidades que atendam esse público

Quem ganha entre três e dez salários mínimos (de R$ 1.395 a R$ 4.650) já pode financiar imóveis de até R$ 130 mil pela Caixa Econômica Federal. Na Grande São Paulo, várias construtoras já oferecem imóveis que se enquadram no programa

JUROS – A taxa de juros é de 5% ao ano mais a TR (para a renda de 3 a 5 mínimos); 6% ao ano mais a TR (de 5 a 6 mínimos); 8,16% ao ano mais a TR (de 6 a 10 mínimos). No cálculo das parcelas, são utilizados a Tabela Price e o Sistema de Amortização Constante (SAC)

PRAZO – O financiamento será de até 30 anos pela Caixa Econômica Federal. Até 100% do valor do imóvel será financiado. A entrada é opcional

DESEMPREGO – Se o mutuário for demitido durante o financiamento, ele poderá remanejar parte das parcelas para o fim do financiamento. Apenas 5% do valor das prestações serão pagos no período de desemprego. As famílias poderão adiar o pagamento de 36 (renda de três a cinco mínimos), 24 (de cinco a oito) ou 12 prestações (de 8 a 10)

DESPESAS COM CARTÓRIO – Para famílias com renda entre três e seis salários mínimos, os custos cairão 90%. Para a faixa entre seis e dez, a redução será de 80%.

COMO COMPRAR – O interessado deve buscar imóveis novos, de até R$ 130 mil, que possam ser financiados pela Caixa. No site www.caixa.gov.br, há um simulador de financiamento.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.