05/08/2009

Edifícios inseguros: 10 condomínos de SP foram testados

Fonte: Jornal da Tarde

Todos estão na capital e sofreram arrastões no primeiro semestre deste ano. Em metade deles, vigias e porteiros abriram os portões para a entrada da reportagem, de carro ou a pé. Especialista em segurança acompanhou

Condomínios de alto padrão da capital que foram alvo de arrastões neste ano ainda falham na segurança. O Jornal da Tarde testou 10 deles e conseguiu driblar a vigilância e entrar em metade deles. São residenciais situados em Higienópolis, Paraíso, Lapa, Vila Leopoldina e centro. De janeiro a julho, ao menos 14 condomínios foram assaltados em São Paulo.

A simulação, que foi feita na quinta e na sexta-feira passadas, foi acompanhada pelo especialista em segurança Felipe Gonçalves. Foram usadas duas estratégias: estacionar um Ford EcoSport preto, com vidros escuros, na frente das garagens dos prédios e esperar o portão ser aberto; e a pé, com um buquê de flores, que seria entregue a uma moradora, cujo nome foi selecionado de um site de telefones.

A bordo do EcoSport a reportagem conseguiu entrar no primeiro prédio, em Higienópolis, centro. Em março, houve um arrastão no local e sete famílias foram assaltadas (veja abaixo). O porteiro estava em uma portaria recuada e não se intimidou com a buzinada do motorista. Abriu rapidamente o portão de ferro da garagem. Já dentro do imóvel, o porteiro cometeu mais um erro. “Boa tarde, vocês vão em qual apartamento?”, perguntou. A repórter afirmou que desejava comprar um apartamento e que estava à espera do corretor de imóveis. Diante da justificativa, o porteiro orientou a reportagem a estacionar o veículo em uma vaga nos fundos da garagem. O JT revelou então o motivo do teste. O porteiro pediu para que a repórter saísse do local.

“Muitos desses porteiros têm medo do morador, que costuma brigar por causa dessa demora em abrir o portão”, afirma Gonçalves. “E isso é que prejudica (a segurança do condomínio).”

Em outro edifício, desta vez no Paraíso, zona sul, bastou um sinal de positivo de dentro do carro e o porteiro abriu o portão da garagem. Em março,uma quadrilha invadiu o local e 13 pessoas foram feitas reféns. Ao ser questionado sobre o motivo da liberação do veículo, o funcionário se justificou: “Achei que fosse o senhor F., do segundo andar, o carro também é parecido. Com certeza vou ser mandado embora”.

Na região da Vila Sônia, no Morumbi, zona sul, o porteiro agiu corretamente ao ser chamado para pegar pessoalmente um buquê de rosas. Ele permitiu que a reportagem deixasse as flores apenas na gaiola (um espaço entre dois portões), mas errou a aparecer perto da grade depois de um apelo de que as flores iriam amassar. No caso de um assalto, ele poderia ter sido rendido neste momento. O funcionário não quis se justificar. O síndico foi procurado e também não respondeu os contatos.

Em um residencial na região central, a repórter afirmou ao zelador que procurava um imóvel para alugar. Ele ficou cerca de cinco minutos conversando com a reportagem e abriu as portas do residencial sem qualquer restrição. Ele disse que aparentemente não havia razões para desconfiança.

Também em um prédio de Higienópolis, a repórter se identificou como representante de uma empresa de segurança. O vigia, de terno e gravata e com rádio comunicadores, ficou próximo às grades para receber um cartão que seria dado pela reportagem. “Deixe aí na grade que eu pego”, afirmou ele, mas em seguida se aproximou e veio conversar. Nesse momento, segundo especialistas, ele poderia ter sido rendido.

Em outro prédio na Vila Leopoldina, na zona oeste, o portão estava aberto, a reportagem entrou e não houve problema para uma conversar sobre imóvel para locação. Já em um edifício na Lapa, os portões estavam abertos, a repórter também conseguiu entrar.

AUMENTO DE ROUBOS – A Secretaria da Segurança Pública diz que não divulga a quantidade de edifícios invadidos até julho na capital. E que essa estatística entra como roubos. No segundo trimestre deste ano, houve aumento de 65.635 para 68.524 desse tipo de crime no Estado, o maior número de registros desde o início da série histórica, em 1995

CASOS ESTE ANO:
07/01
Prédio na Rua João Andrades, Lapa, zona oeste

08/01
Prédio na Rua João Anne, Lapa, zona oeste

11/01
Edifício da Alameda Lorena, Jardins, zona sul
Condomínio de casas na na Rua Mileto, na zona norte

22/02
Prédio da Rua Piauí, em Higienópolis, centro

02/03
Prédio em Perdizes, zona oeste

08/03
Edifício Piratininga na Avenida Rangel Pestana, centro
Dois prédios na Rua Coronel Oscar Porto, zona sul

09/04
Condomínio Visagem, na zona sul

01/05
Prédio na Vila Guarani, zona sul

01/06
Edifício Jataí na Rua Cerro Corá, zona oeste

30/06
Prédio na Vila Leopoldina

2/07
Condomínio Panorama do Morumbi, zona sul

25/07
Prédio da Rua Goitacás, em Higienópolis, centro

DICAS:
1) ENCOMENDAS
As encomendas como pizzas, flores e cestas de café da manhã, devem ser deixadas na gaiola, umcompartimento acoplado ao portão dos prédios

2) PORTÕES
Os portões da garagem e da portaria devem ser duplos. O segundo só deve ser aberto depois que o primeiro estiver totalmente fechado, para evitar invasões

3) CONTROLE
Não é correto deixar o controle remoto da garagem do prédio no quebra sol do veículo. O equipamento pode ser furtado do morador e no futuro ser utilizado durante um arrastão. Guarde-o bem

4) CONTRATAÇÃO
O síndico e os demais membros do conselho do edifício precisam ter extremo rigor na contratação de funcionários, como porteiros e faxineiros. Eles devem ser treinados constantemente

5) ACESSO
É importante ficar a tento a detalhes simples. Se a empregada ou a babá forem embora e voltarem fora do horário ao apartamento, é preciso que elas avisem com antecedência à patroa

6) CORRETORES
Evite o golpe do corretor de imóveis. Eles devem ser conhecidos dos funcionários e precisam estabelecer códigos de entrada com os porteiros e zeladores

7) GARAGEM
O morador nunca deve ir imediatamente à garagem quando for avisado que seu carro foi amassado ou o alarme disparou. Antes deve checar a informação com o zelador e demais moradores

8) PACIÊNCIA
Moradores têm de obedecer todas as regras do condomínio para não prejudicar os outros.Precisam ter paciência na identificação ao entrar na garagem

9) MANUTENÇÃO
Não adianta o local possuir equipamentos de segurança, como câmeras e cercas elétricas, se não tiver uma manutenção trimestral, que pode ser feita por empresas de segurança

10) CÓDIGOS
Os porteiros devem ter senhas para dizer aos colegas nas trocas de turno. Alguns já foram rendidos por criminosos a caminho do trabalho

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.