22/04/2009

Em um ano, aluguel sobe 12,11%

Fonte: Jornal da Tarde

Só no mês de março, o aumento do preço do aluguel, de acordo com a pesquisa, foi de 0,5%

Nos últimos 12 meses encerrados em março, o valor dos aluguéis residenciais em São Paulo subiu 12,11% na prática – quase o dobro dos 6,27% registrados pelo Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M), que regula a maior parte dos contratos. A constatação foi feita pela pesquisa mensal de locação residencial do Secovi-SP (Sindicato da Habitação) .

“O mercado de locação residencial registra aumentos significativos em relação aos indicadores de preços por absoluta escassez de moradias para aluguel”, justifica José Roberto Federighi, vice-presidente de Locação do Secovi-SP. Isso fica claro, segundo ele, pelo Índice de Velocidade de Locação (IVL), que mede o número médio de dias que um imóvel vago leva para ser alugado.

Em março, um imóvel em bom estado de conservação e bem localizado, situado na capital paulista, levava apenas 11 dias, em média, para ser ocupado, quando, há cinco anos, uma moradia com as mesmas características tinha um IVL superior a 30 dias.

Só no mês de março, o aumento do preço do aluguel, de acordo com a pesquisa, foi de 0,5%. Os imóveis de dois dormitórios foram os que registraram maior elevação: 1%, em média. Enquanto isso, o aluguel das moradias de um e de três dormitórios ficou praticamente estável, e a locação de imóveis de quatro quartos teve acréscimo médio de preço da ordem de 0,2%.

Entre os tipos de moradias alugadas com mais rapidez no mês passado destacam-se casas térreas e sobrados, que demoraram, em média, entre dez e 27 dias para serem locados. A ocupação de apartamentos foi mais lenta, de 17 a 34 dias. O IVL da capital paulista, em março de 2009, permaneceu no mesmo nível de fevereiro: variou entre 11 e 29 dias.

A pesquisa mostrou ainda que o fiador aparece como a garantia mais utilizada (49%) na amostra de imóveis analisada em março. A segunda modalidade mais usada foi o depósito em dinheiro de até três meses, escolhido por cerca de um terço dos proprietários.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.