26/02/2009

Financiamento vai dispensar escritura

Fonte: Jornal da Tarde

Governo exige que Caixa aceite apenas documento de posse na hora de liberar empréstimo

Foto: Verônica LimaZap o especialista em imóveisObjetivo é encontrar uma forma de redução do valor dos imóveis e das prestações

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva determinou à Caixa Econômica Federal que estude a possibilidade de aceitar declaração de propriedade de terreno, fornecida por Estados ou municípios, como modo de reduzir as exigências para financiar a construção de moradias populares. No diagnóstico do governo, os problemas com a falta de escrituras, nos casos de áreas em fase de regularização, têm emperrado a concessão de empréstimos a pessoas carentes.

A proposta foi bem recebida. ?A Caixa deverá aceitar declaração de titularidade de um ente público para ampliar o empréstimo destinado à construção de moradias populares. Antes, a pessoa tinha de comprovar o registro da área para obter o financiamento?, comentou o governador do Piauí, Wellington Dias, que esclareceu, no entanto, que o governo não está legalizando invasões. ?A ideia é encontrar uma forma de redução do valor dos imóveis e das prestações?, argumentou.

A chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, foi escalada ontem por Lula para apresentar os principais pontos do programa de habitação popular – que será lançado em março – na reunião com os ministros da área social, no Palácio do Planalto. Um dia antes, Dilma e o próprio presidente pediram a governadores de vários Estados que identificassem terrenos em locais com infraestrutura para a construção de casas populares.

O Banco do Brasil também foi convocado para o esforço de financiamento da casa própria para quem ganha de dois (R$ 930) a dez salários mínimos (R$ 4.650). A meta é construir um milhão de moradias até 2010 – 500 mil neste ano.

Cinco governadores do Norte e do Nordeste já concordaram em abrir mão da receita do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), cobrado do material de construção, para viabilizar o programa. Além de Wellington Dias, endossaram a proposta os governadores Jaques Wagner (Bahia), Eduardo Campos (Pernambuco), Marcelo Déda (Sergipe) e Eduardo Braga (Amazonas).

Lula está convencido de que para reduzir as prestações é preciso desonerar tributos e diminuir o spread bancário – diferença entre o que os bancos pagam para ter o dinheiro e a taxa cobrada por eles junto aos clientes na hora do empréstimo. O governo ainda faz contas para definir o corte do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) do material de construção, que pode gerar uma renúncia fiscal na casa de R$ 1 bilhão.

O socorro ao setor – que tem grande impacto no emprego – é considerado fundamental para reaquecer a economia nesse momento de crise.

Dados do Ministério do Trabalho indicam que o nível de emprego da construção civil começou lentamente a reagir: aumentou 0,59% em janeiro, com a criação de 11.324 postos de trabalho. A situação, no entanto, ainda é bastante difícil para um ramo de atividade estratégico.

TESOURO NACIONAL – A proposta de uso do dinheiro do Tesouro Nacional para bancar o seguro dos financiamentos habitacionais para a população de baixa renda divide o governo e ameaça atrasar ainda mais a divulgação do pacote de medidas de estímulo ao setor. A equipe econômica é contrária à concessão do subsídio. A maior preocupação é com o risco para as contas do governo e o difícil controle. Por outro lado, o presidente Lula exigiu que o pacote garantisse prestação mais baixa para financiamentos à classe baixa. O seguro de morte e invalidez é obrigatório nos financiamentos habitacionais e tem peso grande na prestação, principalmente para os mutuários com renda mais baixa. Com a proposta de subsídio governamental do seguro, a prestação poderia ser menor, como deseja o presidente. ?Esse é o maior entrave, pois é uma questão séria que precisa sair do rol das medidas?, admitiu uma fonte do governo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.