04/03/2009

Fusão com o verde

Fonte: O Estado de S. Paulo

Paisagismo e vista para o lago definem casa em Campinas

Zeca Wittner/AE

O engenheiro e arquiteto Márcio Tenreiro ouviu instruções claras da cliente ao projetar o imóvel em Alphaville, condomínio de Campinas. Mulher antenada, praticante de esportes, assim como o marido e o filho adolescente, ela queria uma casa contemporânea, de linhas retas e muito verde – daí o paisagista Irineu Engler trabalhar com Márcio desde o início. Resultado: de qualquer ponto da casa, erguida no terreno de mais de 1.800 m², admira-se a vegetação.  

“O entorno e a vista para o lago do condomínio ajudaram a definir meu trabalho”, diz Márcio, que projetou o imóvel com pé-direito duplo na área social e muito vidro. “É uma casa especial. Nela, nenhuma luz tem necessidade de ser acesa antes do anoitecer.”

Toda branca e voltada para o nascente, a construção de 660 m² é dividida em dois blocos que formam um L, unidos por passarelas, vazados ajardinados e volumes em balanço. A área social e as suítes (no lado maior do L) ficam no térreo. Um lance de escada leva ao mezanino, que, cercado de panos de vidro, abriga a sala de ginástica e o quarto de hóspedes – e garante a vista para a piscina e o jardim dos fundos.  

“O terreno tinha um declive acentuado. Procurei suavizá-lo, dinamitando as enormes pedras e usando o que sobrou na terraplanagem”, lembra Márcio. Com isso, o terreno ficou escalonado – da porta de entrada, três degraus conduzem ao amplo living; desse, outros, dirigem-se à área da piscina, que, por sua vez, dá para um jardim com pomar em nível mais baixo.

Márcio definiu os acabamentos com a proprietária. Foi ele, por exemplo, que desenhou a porta que separa a cozinha da sala de jantar – de cedro rosa e vidro no centro. Outra sugestão: o uso de pastilhas de vidrotil laranja nas laterais da cozinha branca (projeto da Kitchens). Nos banheiros, o vidrotil aparece nos detalhes, compondo com o porcelanato no piso e o mármore branco Thassos nas bancadas.  

Na área social, porém, o piso é de cerâmica. “Como a obra tem desenho contemporâneo, optamos por um estilo que não deixasse a casa datada. Então, a escolha foi por Brennand, artista plástico”, conta Márcio. Esse revestimento cerâmico (de 30 cm x 30 cm, por R$ 157,50 o m², na Ceramick) foi usado também no home theater, cujo acesso é feito pela sala de jantar. “Quis o home theater e o lavabo próximos da cozinha”, revela a proprietária, que escolheu, ao lado de Elaine Carvalho, todos os elementos de decoração. Na sala de jantar, por exemplo, no vão entre a cozinha e o living , a mesa Távola, de Oscar Niemeyer, com estrutura de ébano e tampo de vidro, se faz notar junto das cadeiras Jacqueline Terpins.

Quatro gravuras de Tomie Ohtake ocupam uma parede lateral do estar, dividido em dois pela lareira em balanço que toma todo o pé-direito e é sustentada pela viga do mezanino. No salão, as vedetes são o sofá de madeira de Claudia Moreira Salles (Etel Interiores, preço sob consulta), a cadeira dinamarquesa com tecido da estilista Adriana Barra, duas poltronas Swan (R$ 3.391 cada, na Micasa) e duas cadeiras Ghost.  

A proprietária também fez questão de acompanhar de perto o trabalho de Irineu Engler. “Cada nicho foi idealizado segundo o “microclima da arquitetura”, ou seja, com espécies para as áreas internas e externas”, diz o paisagista. Na entrada, marcam presença palmeiras azuis de Madagáscar, agaves, palmeira-rabo-de-raposa, cerejeira, bromélias e patas-de-elefante, que se repetem nos jardins internos e na área da piscina. Outra opção de Irineu: seixos de arenito de Goiás para aumentar o contraste com o verde que se estende até o pomar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.