20/10/2008

Gestão de imóveis é tema de evento no Rio

Fonte: O Globo

Modelo de administração japonesa, um dos mais desenvolvidos do mundo, será apresentado pela primeira vez no Brasil

Mais de 40 especialistas da América Latina, da Europa e do Japão estarão no Rio entre os próximos dias 26 e 29 para o XV Congresso Nacional do Mercado Imobiliário (Conami) & II Fórum Internacional de Administradores de Imóveis. O encontro, realizado pelo Sindicato da Habitação do Rio (Secovi-Rio), terá 13 painéis e 15 horas de palestras, que abordarão questões como sustentabilidade, gestão e o déficit habitacional brasileiro. Voltado para profissionais da área, será no Hotel Sofitel, em Copacabana.

Pedro Wähmann, presidente do Secovi-Rio, diz que o setor tem um desafio e tanto, já que alguns destes empreendimentos que hoje estão em fase de construção serão, no futuro, minicidades, que exigirão profissionais mais capacitados:

Mostraremos como cada país procura solucionar problemas de administração imobiliária, o que serve de inspiração para novos métodos de gestão para brasileiros e estrangeiros.

Em Tóquio, o maior custo de administração por unidade

O modelo de administração japonesa, um dos mais desenvolvidos do mundo, será apresentado pela primeira vez no Brasil. Tóquio, além de ter o metro quadrado de locação mais caro do mundo  o aluguel de uma sala comercial pode chegar a 50 mil ienes, isto é, cerca de R$850 , tem também o maior custo de administração por unidade do mundo. Os funcionários precisam ser altamente qualificados, com destaque para o planejamento financeiro e estrutural da manutenção predial.

Já a retomada dos imóveis por inadimplência do pagamento do aluguel num curto prazo será o case apresentado pelo Chile. No país, o tempo médio para a retomada é de 60 dias, podendo chegar a no máximo seis meses. Uma lei, promulgada em 2005, promove a mediação entre as partes em primeira instância e o acionamento da Justiça como último recurso.

A Espanha leva o seu exemplo bem-sucedido de administração: no país, uma lei de 1999 reduziu a inadimplência no pagamento de cotas condominiais em 70%. Depois de duas semanas de atraso, a administradora leva o caso à Justiça, que dá ao inadimplente 21 dias para quitar a sua dívida. Se isso não acontecer, o imóvel vai a leilão.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.