01/10/2010

Governo quer construir mais 2 milhões de casas

Fonte: O Estado de São Paulo
(Foto: Divulgação)
60% serão destinadas a famílias que recebem até 3 salários mínimos 680 mil (Foto: Divulgação)

O governo deve lançar ainda este ano o programa Minha Casa, Minha Vida 2 com a meta de construir 2 milhões de moradias entre 2011 e 2014. A informação foi dada ontem pela presidente da Caixa Econômica Federal, Maria Fernanda Coelho, numa cerimônia no Rio. Ela contou ter tratado da nova versão do programa com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva em reunião na última segunda-feira.

“Há um processo de negociação para que isso aconteça até o fim do ano”, disse Maria Fernanda, acrescentando que o presidente quer reproduzir a articulação com prefeitos e governadores da primeira fase do programa habitacional, que tinha como meta a construção de 1 milhão de casas, antes de lançar o plano, que só será executado pelo próximo governo.

“Seguramente isso será lançado para 2011. Já há uma previsão orçamentária”, afirmou Maria Fernanda. “A nossa expectativa é ter uma média de 2 milhões de novas moradias, cerca de 60% delas para famílias de até três salários mínimos.” Segundo a presidente da Caixa, também estão sendo ouvidos construtores e incorporadores para a formatação da nova fase do programa habitacional.

O orçamento ainda não foi definido, disse Maria Fernanda, mas “pode ser aproximadamente o dobro” da dotação de R$ 64 bilhões da primeira fase, com recursos da União e do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). Ela estimou que 680 mil casas do primeiro programa já foram contratadas.

Salto. “O objetivo é ter habitação e, na mesma intervenção, obras de saneamento. No PAC 2, estão previstas 800 praças, que serão áreas de lazer, de integração digital e de prática de esportes. O nosso desafio para os próximos quatro anos é trabalhar todos esses projetos de forma integrada”, disse Maria Fernanda.

Segundo a executiva, a Caixa superou no início de setembro a marca de R$ 47 bilhões em operações contratadas para o setor imobiliário em todo o ano passado. Em três semanas, esse montante saltou para R$ 53 bilhões.

A expectativa do banco é fechar 2010 com R$ 70 bilhões contratados para habitação. Maria Fernanda afirmou que a capitalização de R$ 2,5 bilhões feita pelo Tesouro em agosto por meio de ações da Petrobrás deu condições confortáveis à Caixa para a perspectiva de aumento dos financiamentos.

“Tivemos uma capitalização agora que é mais do que suficiente, mesmo com a expectativa de ampliação de contratação”, afirmou, afastando a necessidade de nova capitalização do Tesouro. “A nossa expectativa é de que, pelo menos para os próximos dois anos, tenhamos condições de execuções desses projetos, até porque a Caixa conta com outras fontes de captação de recursos.”

Ontem, Maria Fernanda foi ao Rio para assinar, com o prefeito Eduardo Paes (PMDB), o acordo de investimentos que prevê a liberação da primeira parcela dos R$ 3,5 bilhões do FGTS para a segunda fase de revitalização da zona portuária do Rio. A partir de 2011, os recursos do fundo serão aplicados na operação consorciada urbana. Em outubro, uma concessionária será escolhida para realizar as obras sob o modelo de Parceria Público-Privada (PPP).

Moradias:
2 milhões de casas é a meta do Minha Casa 2, 60 % serão destinadas a famílias que recebem até 3 salários mínimos 680 mil. Casas do Minha Casa 1 já foram contratadas, segundo a Caixa.

LEIA MAIS:

Caixa entrega 160 mil imóveis pelo Minha casa, minha vida

Minha Casa Minha Vida deixa de lado quem ganha menos

Governo amplia prazo para incentivo do Minha Casa

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.