20/04/2007

Hora de pegar o ‘caminho da roça’

Fonte: Jornal da Tarde

Mercado de imóveis aponta boas oportunidades de negócios com terrenos no interior do Estado

DivulgaçãoZap o especialista em imóveisVista aérea do loteamento Saint Charles, localizado na cidade de Sorocaba, no interior de São Paulo

Uma onda de lançamentos espalhados pelas cidades no entorno da Grande São Paulo e pelo interior do Estado tem voltado o ‘faro’ financeiro dos investidores no mercado imobiliário para o setor de loteamento. Atraídos pelos preços acessíveis dos lotes, retorno seguro do capital aplicado e pela rápida valorização do terreno, empresários de diferentes segmentos estão adquirindo terras nas regiões em desenvolvimento com base em boas perspectivas futuras.

A Associação das Empresas de Loteamento de Desenvolvimento Urbano do Estado de São Paulo (Aelo) estima que cerca de 30% dos 120 mil lotes vendidos por ano são adquiridos por investidores. Com a expansão gradual de algumas cidades interioranas, o investimento público e privado na malha rodoviária e a migração da classe média-alta paulistana para as regiões mais afastadas dos grandes centros urbanos, esse percentual deve crescer ainda mais nos próximos anos.

“Quando tem um lugar onde se investe em infra-estrutura, ele logo se valoriza, e os lotes sobem de preço muito rápido. Por isso, se a pessoa tem algum dinheiro em caixa e quer fazer um investimento com segurança, ela pode comprar um lote que terá uma poupança tranqüila”, atesta o presidente da Aelo, Luiz Eduardo de Oliveira Camargo.

Ele conta que os loteamentos com melhor estrutura e que oferecem mais recursos aos moradores são os que mais se valorizaram e em menos tempo. Segundo Camargo, o rendimento de um lote chega a 20% ao ano. “A rentabilidade está boa e tende a melhorar. A venda no mercado está bem aquecida, a procura por lotes está aumentando. Existe uma onda positiva”, acrescenta.

De acordo com o presidente do Conselho Regional dos Corretores de Imóveis de São Paulo (Creci-SP), José Augusto Viana Neto, a valorização dos lotes aumenta conforme a empresa loteadora avança nas fases de entrega do empreendimento e os proprietários começam a erguer suas casas. “Com cerca de 30% dos lotes vendidos, o proprietário já começa a perceber a valorização. Sem dúvida, é uma excelente forma de investir dinheiro”, afirma.

Até por isso, explica o sócio-diretor da Extrema Empreendedores Imobiliários Arthur Matarazzo Braga, a vantagem é adquirir o lote ainda no pré-lançamento ou lançamento do empreendimento. “Aqueles que compram no lançamento podem economizar até 20% em média. Já o lucro, depende do desenvolvimento do loteamento. Mas os ganhos chegam a 30% ao ano em valorização”, assegura.

Segundo o presidente da Aelo, Luiz Eduardo de Oliveira Camargo, 60% dos lançamentos de loteamentos fechados – aqueles de alto padrão – se concentram nas regiões de Campinas, Sorocaba e Atibaia. Alguns empreendimentos chegam a apresentar 600 lotes, que variam de 250 a mil metros quadrados cada.

Cidades localizadas mais a oeste do Estado também não ficam atrás. De acordo com o diretor comercial Caio Portugal,da GP Desenvolvimento Urbano, incorporadora de loteamento com forte atuação nos municípios de Cotia, Vargem Grande Paulista, São Roque e Mairinque, novos empreendimentos estão atraindo pequenos investidores de diversas áreas de São Paulo. Como exemplo, ele cita o conjunto de 570 lotes Vila D’Este, em Cotia. “Só nesse empreendimento, nós temos cerca de 20 investidores, alguns deles com até quatro lotes”, exemplifica Portugal.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.