10/03/2009

Imagens de arrastão devem ajudar pouco

Fonte: Jornal da Tarde

Circuito interno de TV gravou as cenas, mas boa parte da quadrilha usava capuz na hora do crime

A Polícia Civil recebeu ontem as imagens do circuito interno de TV do prédio da Rua Rangel Pestana, no Pari, centro, que na manhã de domingo sofreu um arrastão. Segundo o delegado do 12º DP (Pari), Hélio Bressan, as imagens estão nítidas, mas boa parte da quadrilha, formada por sete homens, usava capuz, o que pode dificultar a identificação dos suspeitos.

Os assaltantes procuravam orientais. Eles tinham a chave do portão de entrada e invadiram seis apartamentos. Três vítimas foram agredidas com socos e coronhadas. Entre elas, uma senhora de 72 anos. Até ontem , apenas dois homens tinham sido presos.

Na noite anterior ao arrastão, outro edifício também foi alvo de uma quadrilha formada por dez criminosos. Desta vez em um condomínio de luxo na Rua Oscar Porto, no Paraíso, zona sul. O porteiro foi rendido. O delegado titular do 36º DP (Paraíso), Adilson Aquino, explicou que oito integrantes da quadrilha foram detidos, mas outros dois fugiram.Moradores devem ser chamados para reconhecimento fotográfico na delegacia.

Com esses dois casos, já são sete o número de edifícios alvo de criminosos este ano – mesma quantidade de todo o ano de 2008. Para o delegado Edison Santi, titular da 2ª Delegacia de Patrimônio do Deic, não haverá um “”crescimento”” de arrastões. “Esse é um crime de oportunidade, o ladrão age de acordo com a conveniência”.

Segundo o delegado, 29 pessoas relacionadas aos arrastões foram presas este ano – a maioria tem passagem pela polícia por crimes contra o patrimônio.

Santi explicou que, conforme um tipo de roubo é combatido, as quadrilhas acabam se interessando por outro. “O boom de casos foi em 2005, com 36 roubos. Em 2009 teve esse aumento, mas as quadrilhas têm sido presas, estão sendo intimidadas e vão parar.”

SEGURANÇA – Segundo o vice-presidente de Administração Imobiliária e Condomínios do Sindicato da Habitação (Secovi-SP), Hubert Gebara, apenas 30% dos 22 mil condomínios residenciais da cidade possuem algum tipo de aparato de segurança – câmeras, equipe treinada ou monitoramento 24 horas.

AUMENTO – “O boom de casos (de arrastão a condomínios) foi em 2005, com 36 roubos. Em 2009 teve esse aumento, mas as quadrilhas têm sido presas, estão sendo intimidadas e vão parar.”

EDSON SANTI, DELEGADO TITULAR
DA 2ª DELEGACIA DE PATRIMÔNIO DO DEIC

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.