14/03/2011

Imóveis em inventário: vale a pena correr o risco?

Fonte: Jornal Extra
(Foto: Divulgação)
Comprar um imóvel em inventário judicial só é indicado quando a família entra com um processo na Justiça (Foto: Divulgação)

Depois de muito procurar, você encontrou o imóvel dos sonhos. Para melhorar, o preço está abaixo do valor de mercado e cabe certinho no bolso. Mas, depois de dar pulinhos de alegria, vem a triste notícia: o bem ainda consta de um inventário em andamento. Apesar de não ser um impeditivo completo, os especialistas advertem: comprar esse tipo de bem é sempre arriscado.

Para saber se o risco vale a pena, primeiro é preciso entender de que tipo de inventário se trata. Basicamente, existem duas vias de processo. Ou está correndo em Cartório de Notas ou na Justiça.

Saiba mais: Para fugir do inventário

“O inventário pode ir para o Cartório de Notas quando é amigável e não há nenhum herdeiro incapaz ou menor de idade. Nesse caso, ele deve ser concluído em dois meses e o ideal é esperar esse período para efetivar a compra do imóvel”, aconselha o advogado Hamilton Quirino.

Quando o inventário vai para a Justiça, a situação fica mais complicada. É preciso, primeiro, verificar o motivo de o mesmo estar correndo por via judicial e tomar as devidas precauções em cada caso, sempre com a assessoria de um advogado.

“Comprar um imóvel em inventário judicial só é indicado quando a família entra com um processo na Justiça pedindo autorização para a venda por motivos que podem variar de tratamentos médicos a falta de dinheiro para pagar as custas do processo”, afirma o advogado Marcelo Tapai.

 

LEIA MAIS:

Preços de imóveis subiram 2,1% em fevereiro e 13,2% nos últimos seis meses, segundo o novo índice FipeZap

IRPF: como declarar imóveis

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.