09/08/2011

Imóveis: financiamento de usados cresce 14% em SP

Fonte: Jornal da Tarde

O número de imóveis usados vendidos por intermédio de financiamento bancário cresceu 14,3% na cidade de São Paulo no primeiro semestre deste ano, na comparação com o mesmo período de 2010. É o que aponta o levantamento da Lello, empresa de administração imobiliária no Estado.

Nos seis primeiros meses de 2011, 48% das casas e apartamentos comercializados pela administradora em suas filiais espalhadas pela capital paulista foram por meio de financiamento obtido pelos compradores. No mesmo período do ano passado o crédito bancário respondeu por 42% dos negócios.

Desde 2007 o financiamento imobiliário para compra de imóveis usados na cidade quase dobrou. Há quatro anos ele representava apenas 25% dos negócios. A ampla oferta de crédito fez com que as vendas neste ano continuassem aquecidas, com ligeiro aumento de 4% no total de unidades negociadas em relação aos seis meses iniciais de 2010.

Entre os imóveis residenciais, foram comercializados 72% de apartamentos e 28% de casas. As unidades de dois dormitórios responderam por 62% das vendas do total de apartamentos e 50% do total das casas no primeiro semestre deste ano.

O valor médio das vendas foi de R$ 370 mil. Já entre os imóveis comerciais, galpões e conjuntos/salas responderam por 80% dos negócios, com valor médio de venda de R$ 580 mil.

O estudo da Lello também apontou que a maioria (55%) dos imóveis usados comercializados no primeiro semestre tiveram negociações em seus valores, e os descontos concedidos ficaram entre 5% e 7% em relação ao valor pedido inicialmente.

“O cenário deste ano é semelhante ao verificado em 2010 e, em menor escala, também em 2009. Os imóveis continuam valorizados, a demanda é altíssima para unidades de um e dois dormitórios bem localizadas e por isso muitas pessoas vêm enxergando o mercado imobiliário com olhos de investidor”, diz Roseli Hernandes, diretora da Lello Imóveis.

LEIA MAIS:

Pechinchar na hora de comprar imóvel pode render desconto de até 6%

Imóvel de três dormitórios tem a maior alta no ano

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.