29/06/2011

Letras expostas em embalagens de chuveiro não classificam economia energética

Fonte: Jornal Extra
Chuveiro elétrico (Foto: Divulgação)
Chuveiro elétrico (Foto: Divulgação)

À procura de um chuveiro novo que reunisse qualidades indispensáveis – como economia de energia, bom aquecimento e boa vazão -, o jornalista José Pires, de 38 anos, ficou desapontado ao encontrar à venda apenas modelos com o selo D, do Inmetro.

“Não tinha A para vender e tive que levar o D, mesmo achando que não é o melhor”, contentou-se.

O que ele não sabia é que a classificação do instituto não está relacionada à eficiência energética do produto, mas sim à capacidade que ele tem de aquecer a água.

“Criamos a etiquetagem para mostrar a potência. As letras iniciais do alfabeto mostram que o chuveiro esquenta pouco a água, consequentemente, consumindo menos energia. Os que têm letras maiores, como D e E, fazem com que a água fique mais quente, gerando gastos maiores”, explica Marcos Borges, coordenador do Programa Brasileiro de Etiquetagem do Inmetro.

Consulta pública – Apesar de haver a classificação, os fabricantes não são obrigados a pôr a etiqueta no produto. Borges reconhece que a classificação dos chuveiros ainda é insuficiente. Para melhorar a avaliação, o instituto está tentando avaliar de forma mais minuciosa os modelos disponíveis no mercado.

“Sabemos que muita gente confunde o significado de ter uma letra informando que o chuveiro é mais ou menos potente. Mas estamos estudando os produtos para poder classificá-los quanto à eficiência energética. Em julho, um regulamento sobre o tema vai entrar em consulta pública para começarmos o processo”, explica o coordenador.

LEIA MAIS:

Conta de luz pode ser pré-paga

Manutenção em dia com o kit de ferramentas básico

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.