18/01/2007

Mais dinheiro em 2007

Fonte: Jornal da Tarde

A Caixa Econômica Federal pretende financiar pelo menos 130 mil imóveis em São Paulo neste ano, entre casas e apartamentos novos e usados. A meta foi divulgada pelo superintendente regional do banco, Augusto Bandeira Vargas. Segundo ele, a Caixa colocará R$ 3,1 bilhões à disposição dos interessados no Estado – 3,3% a mais do que o previsto no início de 2006. Contudo, o próprio governo acredita que essa estimativa será superada caso a demanda por crédito cresça.

O otimismo de Vargas tem justificativa. No começo de 2006, a previsão da Caixa, em São Paulo, era liberar R$ 3 bilhões. Porém, a busca pelos recursos aumentou e o banco fechou o ano com um total aplicado de R$ 3,78% bilhões. Pelos cálculos do gerente regional da instituição financeira, Luiz Carlos Previlato, R$ 1,1 bilhão saíram de recursos das cadernetas de poupança e o restante do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). Esse dinheiro serviu para financiar 124.638 unidades habitacionais.

Vargas acredita que a previsão inicial para este ano, de R$ 3,1 bi, será superada em mais de 29%. “A expectativa é de que conseguiremos elevar os recursos para mais de R$ 4 bilhões até o fim do ano”, contou com otimismo. “Nosso orçamento é ampliado conforme aumenta a procura pelo crédito nas agências”, completou o superintendente.

Com isso, a Caixa espera financiar pelo menos 130 mil imóveis em São Paulo em 2007. Este número, caso realmente se concretize, será cerca de 47% superior à quantidade financiada em 2005, quando o banco liberou recursos para a compra de 88.106 casas e apartamentos novos e usados no Estado.

O superintendente do banco acredita ainda que o mercado imobiliário continuará aquecido todo o ano, principalmente por conta da concorrência acirrada entre as empresas do setor bancário que concedem financiamento habitacional. “Com a queda da taxa Selic (a taxa básica de juros da economia, hoje em 13,25% ao ano), é natural que haja possibilidades de novas quedas nos juros”, analisou Vargas.

Metade do dinheiro liberado em financiamento imobiliário no ano passado foi parar nas mãos de consumidores que possuem renda informal. Esta foi uma forma de desburocratizar a concessão do crédito habitacional.

Nestes casos, os gerentes do banco realizaram entrevistas com os interessados para descobrir se o mutuário realmente teria condições de pagar o empréstimo.

Outro dado de destaque é que 73% dos recursos emprestados no decorrer de 2006, foram para famílias com renda mensal de até cinco salários mínimos (R$ 1.750). É justamente nesta faixa de renda que se concentram 92% do déficit habitacional do País.

Feirões

Com o sucesso alcançado pelos feirões da casa própria realizados ao longo de 2006, a Caixa já prepara as novas edições do evento para este ano. Os locais e datas de realização estão sendo agendados, mas é provável que comecem ainda no primeiro semestre. Pelo menos um grande evento, e outros menores, serão promovidos na região

No ano passado, os salões de São Paulo atraíram mais de 145 mil visitantes, que tiveram à disposição 42 mil imóveis novos e usados e cerca de mil adjudicados (bens que foram retomados dos mutuários inadimplentes). No balanço nacional, 450 mil pessoas compareceram aos feirões.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.