25/02/2009

Materiais elevam custo da construção

Fonte: O Estado de S. Paulo

Sinduscon-SP e IBGE divulgam os índices de custo da construção, CUB e Sinapi, que cresceram em janeiro

DivulgaçãoZap o especialista em imóveisPreços da brita 2 subiram 3,19% em janeiro

A alta de 0,44% no preço médio dos materiais de construção no Estado de São Paulo foi responsável pela elevação de 0,21% no CUB(Custo Unitário Básico) da construção civil paulista em janeiro. Calculado pelo Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo (SindusCon-SP) e pela FGV Projetos, reflete a variação dos custos do setor e é aplicado nos reajustes dos contratos do Estado. Entre os materiais que mais pressionaram os preços está a brita 2 e o concreto FCK 25MPa, que subiram, respectivamente, 3,19% e 1,6% no mês. Esses insumos, junto com outros 18, subiram acima do IGP-M acumulado nos últimos doze meses (até janeiro).

A brita aumentou 30,57% nesse período e o concreto, outros 22,64%, contra 8,15% do IGP-M. Mão-de-obra e custo administrativo não tiveram variação em janeiro. O metro quadrado em São Paulo está em R$ 827,62. Em doze meses (até janeiro), o CUB acumula alta de 11,11%.

SINAPI ? O Índice Nacional da Construção Civil (Sinapi), calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em convênio com a Caixa, também iniciou o ano com variação positiva, de 0,39%. Apesar disso, significou uma desaceleração de 0,23 ponto porcentual em relação a dezembro de 2008, que registrou índice de 0,62%. O acumulado em doze meses foi 11,68%, abaixo dos 11,73% registrados nos doze meses anteriores.

Assim, o custo nacional da construção, que em dezembro foi R$ 676,78/m², passou para R$ 679,41/m², sendo R$ 397,76 relativos às despesas com materiais e R$ 281,65 com a mão-de-obra. No Sinapi, também, a parcela dos materiais pesou mais, com alta de 0,53% em janeiro. Isso significa um recuo de 0,09 ponto porcentual se comparado a dezembro (0,62%). A mão-de-obra teve desaceleração forte, ficando com 0,18% em janeiro em comparação com 0,61% de dezembro. Nos últimos doze meses a alta dos materiais chegou a 13,62%, abaixo do registrado no ano anterior. Já o acumulado da mão-de-obra (9,04%) subiu com relação aos 12 meses anteriores (8,97%).

MAIORES ALTAS ? Na divisão por regiões, o Sinapi mostra que as maiores altas ocorreram nas Regiões Sul e Nordeste, que tiveram resultados muito próximos: 0,53% e 0,52% respectivamente, contra 0,39% na média nacional. O Sudeste teve um das menores variações na pesquisa do Sinapi, de apenas 0,28%. O m² no Sudeste custa R$ 718,80 e em São Paulo, o IBGE/Caixa encontrou um custo de R$ 748,39, quase R$ 100,00 menos do que o definido no CUB.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.