01/06/2009

Materiais reciclados com criatividade

Fonte: Jornal da Tarde

Resinas renováveis e bambu prensado aumentam o custo/benefício de obras

Fotos: DivulgaçãoNo loft de 380m², a designer Débora Aguiar, harmoniza móveis de madeira certificada com tecnologia

Além do processo construtivo e produtos mais econômicos oferecidos pelo mercado, o novo luxo sustentável na arquitetura e decoração também abusa da criatividade ao buscar materiais mais duráveis e de multiúso.

No ambiente do designer de interiores Fabio Galeazzo, na Casa Cor, “”””Maria Antonieta em Tempos Sustentáveis””””, além de reutilizar madeira certificada e o couro de tilápia como tecido para a confecção do sofá, o tampo da mesa e suporte dos vasos são feitos de resina renovável, elaborada a partir da combinação de acrílico e minerais naturais.

“A resina é um aditivo que substitui a pedra, com resistência semelhante e vantagem de apresentar maior quantidade de cores. Renovável, poder mudar de função e virar pia, mesa de centro, coluna e parede, sem gerar resíduos, diminuídos também pelo uso de paredes de Drywall. Isso é feito por uma mão de obra específica que, com porcentagem de cola e luz, restaura o material””””, explica.

“A sustentabilidade estimula a criatividade. A tilápia, por exemplo, era usada apenas em bolsas e sapatos, mas pode ser usada no sofá e até como revestimento de bancos em jardins externos, pois suporta intempéries”, conclui o designer.

Na linha de usar o que se tem, Galeazzo também aproveita diversos materiais considerados fora do padrão de exportação exigido pelo mercado internacional, como a palha de seda e couro para bolsa.

No lounge de Débora Aguiar os móveis são de madeira certificada e, pufes, feitos com trama de lona de caminhão. A madeira ainda está na estrutura de caixilhos, luminárias e até esculturas. As bicas d?água são acionadas por energia solar, e a película PVB nas paredes de vidros filtram 90% do calor solar e dispensam iluminação artificial durante o dia. A lareira a gás economiza estruturas.

Fábio Galeazzo utiliza materiais duráveis e produtos fora de padrão

Entre os materiais multiúsos, ela destaca os bambus prensados, que podem ser usados tanto em revestimento de móveis, como piso e parede. “Resistente, aceita coloração.”

A automação no ambiente atinge cortinas, áudio e vídeo. “A economia do tempo também se relaciona ao tema, além do manejo e aplicação, principalmente no uso dos timers.”

Com relação ao custo dos materiais, apesar de mais alto, Galeazzo lembra que pode ser diluído em um espaço de tempo maior, por serem mais duráveis, e acredita que, como qualquer produto, sejam massificados.

JARDINS – O Jardim do Bem Estar, feito pelo escritório Maier & Alê Paisagismo, além de deck flutuante de madeira plástica, se preocupa com o crescimento sustentável de espécies como palmeiras. O plantio dessas espécies não pode ser desordenado e deve considerar o crescimento das plantas a longo prazo, deixando espaço livre para esse desenvolvimento. Por isso, no ambiente, quase não existem vasos ou divisões e há, inclusive, jardins verticais. O projeto ainda busca equilibrar o uso de árvores e plantas. São espécies tropicais, como bromélias.

Inspirado nas técnicas paisagísticas de Burle Marx, homenageado da mostra, o jardim é direcionado para a contemplação das espécies e forma desenhos de cores, pensando a disposição das plantas como arquitetura.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.