18/02/2009

Mercado de imóvel usado reage

Fonte: Jornal da Tarde

Em novembro foram vendidos 160 casas e apartamentos, segundo pesquisa do Creci-SP

Apesar da queda generalizada das vendas de imóveis usados no Estado em novembro, ela foi menor na capital: -1,68%, ante queda de 26,36% em outubro. No período, foram vendidos 160 casas e apartamentos, segundo pesquisa do Creci-SP.

Foto: Verônica LimaImóveis mais vendidos na cidade em novembro foram casas

Para José Augusto Viana Neto, o dado reflete uma economia forte. ?Há uma situação de otimismo, que analisa que o pior já passou. É uma forte desaceleração e acredito que a expectativa do mercado melhore.?

No período, as vendas à vista somaram 58,65% do montante de vendas na capital. O financiamento pela Caixa Econômica Federal arrebatou um total de 32,33% das operações. ?Apesar da crise, o índice de financiamento continua alto?, considera Neto.

Os imóveis mais vendidos na cidade em novembro foram casas e apartamentos com valor maior que R$ 200 mil, que representaram 27,86% dos negócios. Os apartamentos foram os campeões de vendas e representaram 68,75% do total.

O preço que mais subiu foi o do apartamento de padrão médio com mais de 15 anos de construção na Zona B, que abrange bairros como Alto da Lapa, Aclimação e Brooklin. A média do m² na região aumentou 18,85%: de R$ 2.061,37 para R$ 2.449,93.

Já a maior baixa ocorreu na Zona D. Em bairros como Liberdade, Limão e Pari, o custo de imóveis de padrão médio entre 8 e 15 anos de construção diminuiu 11,72%, saindo de R$ 1.594,20 para R$ 1.407,42 por m².

O presidente do Creci-SP lembra que as taxas foram reduzidas de 6% para 5% ao ano nos financiamentos para famílias com renda mensal de até R$ 2 mi com o objetivo de estimular o mercado. Quem tem saldo em conta no Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) há mais de três anos terá uma redução de 0,5 ponto porcentual nas condições de financiamento habitacional.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.