15/08/2016

Mercado imobiliário promete melhora no 2º semestre

Recuperação da crise deve ocorrer no próximo ano

Fonte: ZAP em Casa

O primeiro semestre deste ano foi marcado pelo grande recuo de empresas que adiaram seus lançamentos, uma vez que o consumidor estava muito inseguro para comprar um imóvel diante da crise financeira e política do país. Com os preços congelados e até mesmo em queda, quem tinha dinheiro no bolso pode fazer bons negócios e conseguir descontos de até 40% e imóveis novos.

+ Faça seu cadastro no ZAP em Casa e fique por dentro das últimas de decoração

+ O ZAP em Casa quer a sua opinião: clique aqui e conte o que você quer ver por aqui

Danilo Igliori, professor do Departamento de Economia da USP e chairman do DataZAP, diz que o setor imobiliário foi um dos que mais sofreu desde o final de 2014. Segundo o economista, muitos foram os fatores que influenciaram negativamente. “A taxa de juros subiu, tivemos altos índices de desemprego e as expectativas se deterioraram. A aquisição de um imóvel é uma transação de valor expressivo na vida de uma pessoa”, avalia.

O FipeZap divulgou resultado de Raio X que levantou dados que mostram recuperação no 1º trimestre de 2016 (Foto: Divulgação/FipeZAP
O FipeZap divulgou resultado de Raio X que levantou dados que mostram recuperação no 1º trimestre de 2016 (Foto: Divulgação/FipeZAP

O vice-presidente de Intermediação Imobiliária e Marketing do Secovi-SP, Flávio Prando, diz que as grandes construtoras se concentraram em finalizar suas obras e não tiveram pressa para vender suas unidades. “Acredito que resolvida a questão política no Brasil, as empresas vão colocar na rua seus lançamentos adiados do primeiro semestre. Ainda veremos limite de ofertas, mas com um número mais expressivo a partir de agosto”, explica Prando.

O professor de MBA Executivo do Insper, Otto Nogami, avalia que os primeiros seis meses de 2016 foram caracterizados pelo auge da recessão do governo afastado. “Bastava andar pelas ruas e observar a proliferação de placas de vende-se e aluga-se”, lembra. Segundo o economista, o país entrou em um processo de revés muito forte e o mercado imobiliário está diretamente ligado à atividade econômica. “Isso causa um esfriamento, pois muitas empresas quebraram. No entanto, a disponibilidade de imóveis comerciais aumentou”, explica Nogami.

Pesquisa do mercado imobiliário, realizada pelo Secovi-SP, levantou que em maio deste ano foram comercializadas 1.059 unidades residenciais novas na cidade de São Paulo. Esse número é 50,7% inferior ao total vendido em maio do ano passado (Foto: Divulgação/Secovi)
Pesquisa do mercado imobiliário, realizada pelo Secovi-SP, levantou que em maio deste ano foram comercializadas 1.059 unidades residenciais novas na cidade de São Paulo. Esse número é 50,7% inferior ao total vendido em maio do ano passado (Foto: Divulgação/Secovi)

O fantasma do desemprego

O desemprego é um elemento crítico para o mercado, uma vez que as pessoas não tem mais como honrar os seus compromissos e pagar o seu financiamento. Com esse cenário, quem comprou e tem uma dívida com a construtora tenta renegociar ou até mesmo devolve o imóvel. Essa quebra de contrato faz com que as ofertas aumentem e comecem a surgir os descontos.

“O aumento do desemprego tem impacto direto no setor imobiliário. O financiamento representa 30% da renda do consumidor, item que mais pesa no bolso”, diz o economista.

mercado_imobiliario_interna
O mercado imobiliário mostrou melhora. Mas a recuperação deve acontecer em 2017 (Foto: Shutterstock)

Prado acredita que a partir do segundo semestre haverá uma maior procura por imóveis prontos, pois teremos o início da redução da taxa de juro. “Os bancos vão começar a oferecer créditos de uma maneira menos cara. Quando o clima político melhorar, observaremos reduções que vão facilitar o crédito imobiliário”, diz. Para o vice-presidente do Secovi, o financiamento é uma ferramenta importante que estimula o mercado.

Nogami diz que as pessoas ainda vão precisar se sentir muito mais seguras para que ocorra a retomada do setor imobiliário, pois um imóvel representa um grande investimento. “Quem tem renda média para baixo tende a priorizar a aquisição do automóvel, para depois adquirir o imóvel. Se observarmos uma tendência de crescimento do setor automobilístico por consequência vamos observar o crescimento imobiliário. É um dado curioso”, diz o economista.

+ Preço médio de locação está em queda

+ Condomínio: veja como reduzir gastos e os valores pagos pelos moradores

+ Preços de imóveis atingem menor patamar dos últimos anos

+ Segundo pesquisa, pessimismo com o mercado imobiliário diminui

+ Caixa disponibiliza R$ 7 bilhões para o Construcard

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.